União Africana pede reforço do Fundo de Paz

0

O Vice-Presidente da Comissão da União Africana destacou, ontem, o compromisso dos países com o financiamento de actividades de segurança em África, reafirmando o objectivo de mobilização de 400 milhões de dólares para o Fundo de Paz da organização.

“Embora sejam sempre necessárias parcerias estratégicas para a paz e segurança, doações de 400 milhões de dólares pelos Estados-membros permitirão à União Africana (UA) conduzir a sua agen-
da com base na sua própria avaliação dos problemas e na determinação da solução apropriada”, disse o embaixador Kwesi Quartey.
O Vice-Presidente da UA destacou, por isso, a importância do compromisso dos Estados-membros “em assegurar um financiamento previsível e sustentável para as actividades de paz e segurança em África”.
Kwesi Quartey falava na sede da União Africana (UA), em Addis Abeba, na Etiópia, na abertura da 39ª Sessão de Representantes Permanentes da organização, que marca o arranque das reuniões técnicas preparatórias da 33ª Cimeira da organização, marcada para 9 e 10 de Fevereiro, sob o lema, “Silenciar as armas: criar condições favoráveis ao desenvolvimento de África”. A União Africana estipulou 2020 como o ano para a operacionalização do Fundo de Paz, mas apesar de 50 países terem contribuído com 131 milhões de desde 2017, o objectivo ainda não foi alcançado.
A expectativa é que as doações possam ser aumentadas para 400 milhões de dólares até 2021. Quando estiver totalmente operacional, o fundo deverá financiar actividades nas áreas da mediação e diplomacia preventiva, capacitação institucional e apoio a operações de paz.
O objectivo é reduzir a dependência externa do bloco africano em matéria de segurança e manutenção de paz, abrindo caminho a aplicação de soluções para os conflitos no continente estruturadas localmente.
O encontro dos representantes permanentes antecede ainda a 34ª Sessão Ordinária do Conselho Executivo (ministros) da organização, devendo analisar vários relatórios técnicos das subcomissões da organização. Em análise, estarão igualmente os projectos das novas estrutura e estratégia de financiamento da organização, no âmbito de reforma estrutural em discussão na UA.
A União Africana adoptou, em 2016, um plano para silenciar as armas no continente até 2020, devendo a próxima cimeira passar em revista os progressos alcançados nesta matéria.

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: