“Milagre”: Mulher acorda após 27 anos em coma

0

Uma mulher dos Emirados Árabes Unidos, entrou em coma na sequência de um acidente de viação onde ficou seriamente ferida para proteger o filho de quatro anos. 27 anos depois, acordou “por milagre”.

O carro em que seguia colidiu com um autocarro e Munira, que seguia no banco de trás com o filho, abraçou-o para o proteger do embate. Acabou por sofrer ferimentos graves no cérebro e entrou em coma, aos 32 anos. O filho saiu ileso.

No ano passado, Munira saiu do coma e ao longo do último ano registou uma recuperação notável, que motivou o filho a partilhar a sua história, com o objetivo de inspirar e devolver a esperança a outras famílias que passem por uma situação semelhante. Citado pela BBC, Omar diz que nunca desistiu da mãe porque “sempre teve o pressentimento de que um dia iria acordar”.

Os anos e o percurso de cuidados

Segundo relata a emissora britânica, a mulher acabou por ser transferida para Londres e foi lá que foi declarado o estado vegetativo – inconsciente, mas capaz de sentir dor.

Mais tarde voltou para Al Ain, uma cidade dos Emirados Árabes Unidos, na fronteira com Omã, onde viveu durante alguns anos entre diferentes clínicas. Chegou a ser alimentada através de um tubo e recebia fisioterapia, para assegurar que os músculos não atrofiavam pela falta de movimento.

Em 2017, foi transferida para um hospital na Alemanha, onde foi submetida a várias cirurgias para corrigir a atrofia muscular e recebeu medicação para melhorar o seu estado. Foi lá que acordou do coma.

“Sonhei com este momento durante anos, e o meu nome foi a primeira palavra que ela disse”

Em 2018, Omar envolveu-se numa discussão no quarto de hospital: “Houve um mal-entendido no quarto e ela sentiu que eu estava em risco e mexeu-se”, disse o filho, revelando que a mulher começou a fazer barulhos.

Apesar da sua esperança, os médicos terão dito apenas que era algo normal. Mas três dias depois, Omar acordou com o barulho de alguém a chamar por ele.

“Era ela! Ela estava a chamar pelo meu nome, fiquei tão feliz. Sonhei com este momento durante anos, e o meu nome foi a primeira palavra que ela disse.”

No último ano, Munira ganhou consciência e tem-se tornado mais responsiva. O seu corpo já é capaz de sentir dor e a mãe-heroína já consegue manter uma conversa. Voltou a Abu Dhabi para fazer fisioterapia e outros tipos de reabilitação, para melhorar a sua postura e prevenir que os músculos atrofiem.

Fonte: msn notícias/BA

 

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: