Médicos recusam transporte do líder da oposição russa para Berlim

0

“O oficial  médico chefe anunciou que Navalny não está em condições de ser transportado. A sua condição é instável”, escreveu KiraIarmych na rede social Twitter, citado pela agência de notícias France-Presse(AFP), denunciando uma decisão que “ameaça a sua vida”.

A porta-voz de Navalny defendeu que seria “mortalmente perigoso deixá-lo no hospital não equipado em Omsk, com um diagnóstico que ainda não foi feito”.

Por seu turno, o braço direito do adversário, Leonid Volkov, denunciou uma “decisão política e não médica”. “Eles estão à espera que as toxinas saiam e deixem de ser detetadas no corpo. Não há diagnóstico, não há análise. A vida de Alexei está em grande perigo”, escreveu no Twitter.

Alexei Navalny, um dos mais ferozes críticos do Kremlin, voava de Tomsk para Moscovo quando desmaiou, na quinta-feira. O avião teve de fazer uma aterragem de emergência em Omsk, na Sibéria ocidental.

Navalny ficou internado no hospital de Omsk, onde foi colocado nos cuidados intensivos, ligado a um sistema de apoio à vida.

Um avião médico fretado por uma ONG alemã descolou na madrugada de hoje de Nuremberga, no sul da Alemanha, às 03:11 (02:11 em Lisboa), com destino à Rússia, para o transportar para Berlim, de acordo com o diário Bild, citado pela AFP.

O voo foi organizado pela organização não-governamental (ONG) alemã Cinema pela Paz, que já tinha montado uma operação semelhante para um membro do grupo musical de protesto russo Pussy Riot, Piotr Verzilov, em 2018.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, garantiu na quinta-feira que as autoridades russas estavam prontas para ajudar na transferência do opositor para o exterior.

“É claramente mais seguro a bordo de um avião moderno do que no hospital em Omsk, transfiram-no o mais depressa possível”, instou Volkov.

Por sua vez, tanto a chanceler alemã, Angela Merkel, como o Presidente francês, Emmanuel Macron, já se disponibilizaram para dar asilo político a Navalny.

A porta-voz do opositor russo disse que o político terá consumido veneno no chá que bebeu ao início da manhã de quinta-feira num café do aeroporto, antes de embarcar no avião.

“Os médicos estão a dizer que a toxina foi absorvida mais rapidamente com o líquido quente”, referiu ainda nessa altura a porta-voz, acrescentando que a equipa de Navalny chamou a polícia ao hospital.

Em comunicado, a Amnistia Internacional defendeu na quinta-feira que a administração do hospital deve fornecer “total acesso” à informação “sobre o estado de saúde e o tratamento à família e médicos que esta escolha”.

Fonte: NM

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: