Feira Internacional reúne 150 expositores no Cuanza Norte

0

Perto de 150 expositores nacionais e estrangeiros são esperados na 3ª edição da Feira Internacional do Cuanza Norte (FICN), a decorrer de 24 a 28 deste mês, em Ndalatando, no âmbito das festividades do 63º aniversário desta cidade.

O facto foi revelado quarta-feira à imprensa, pelo director da empresa promotora do evento, Carlos Calas, adiantando que este ano o certame mudará a sua designação para Expo-Cuanza Norte.

Segundo ele, os preparativos decorrem sem sobressaltos e este ano decorrerá sob o lema “Cuanza Norte aposta na diversificação da economia”.

Explicou que 80 expositores das províncias de Benguela, Huíla, Cabinda, Uíge e Malanje, além da anfitriã Cuanza Norte, tem já confirmada a sua participação, estando em curso contactos com empresários da Alemanha, Egipto e Ruanda.

Carlos Calas apontou os sectores da agropecuária, banca, tecnologias de informação, bens e serviços, transportes, maquinaria e equipamentos, como os mais interessados em participar no evento, que já se tornou uma marca da província, dado o seu impacto na atracção de investimentos resultante da divulgação das potencialidades económicas, turísticas e demais recursos existentes na região.

Referiu que o certame estará aberto aos pequenos empreendedores que queiram expor as suas iniciativas, assim como aos demais sectores da vida económica da província, em particular, e do país, no geral.

As inscrições para o evento vão decorrer até ao dia 23 do corrente mês nas instalações do governo da província do Cuanza Norte.

O responsável adiantou que será montado no recinto da feira um pavilhão que albergará diversos stands e serão também criados outros espaços menores de exposição, bem como um palco de diversão que contará com a actuação de vários músicos.

O evento visa dinamizar a economia da província, por via de estabelecimentos de parcerias estratégicas de negócios e fomentar a captação de investimentos privados, contará também com a dissertação de várias palestras ligadas ao fomento da economia e a criação de pequenos negócios.

Carlos Calas não adiantou o volume de negócios esperados na presente edição da FICN que prevê criar 100 empregos indirectos e 30 directos, bem como receber mais de 40 mil visitantes durante os cinco dias de exposição.

Na edição passada da FICN participaram mais de 180 empresas nacionais e estrangeiras dos ramos da indústria, agropecuária, comércio, banca, seguros, geologia e minas, construção civil, hotelaria e turismo, tendo apurado um volume de negócios estimado em 150 milhões de kwanzas.

O evento recebeu mais de 10 mil visitantes e proporcionou a troca de experiência e constituição de parcerias entre empresários nacionais e estrangeiros, assim como 150 empregos temporários.

A FICN é uma organização do Governo Provincial do Cuanza Norte, em parceria com a empresa “C.CALAS Angola” e está instalada numa área de 15 mil metros quadrados.

Fonte: Angop/LD

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: