Famílias das vítimas do voo MH17 querem indemnizações por danos

0

A advogada Arlette Schijns falava na sessão em que foi retomado o julgamento de três russos e um ucraniano acusados de vários crimes, incluindo assassínio em massa, pelo suposto envolvimento no derrube do voo MH17.

Todos os 298 passageiros e tripulantes a bordo do Boeing 777 que voava de Amesterdão para Kuala Lumpurmorreram quando o avião foi atingido e destruído a 17 de julho de 2014 por um míssil Buk disparado de território controlado por separatistas pró-russos no leste ucraniano, cenário de um conflito armado.

Schijns, que representa 450 familiares das vitimas, exortou o tribunal a não perder de vista o sofrimento de centenas de pessoas que perderam os seus entes queridos, enquanto se dirigia aos juízes sobre as questões jurídicas relacionadas com as indemnizações que as famílias reclamarem.

“Isto é sobre indivíduos que foram confrontados há seis anos com uma terrível perda que continua a influenciar as suas vidas hoje”, afirmou.

Algumas das famílias assistiram ao discurso de Schijns numa galeria pública no tribunal, perto do aeroporto de onde o voo descolou.

Os procuradores alegam que o míssil que derrubou o voo MH17 foi transportado para a Ucrânia de uma base militar russa, apesar de a Rússia negar repetidamente o envolvimento.

Schijns disse que a “obstrução e desinformação” pelas autoridades russas está a aumentar o sofrimento dos familiares das vítimas.

Depois de uma investigação internacional de vários anos, os procuradores indicaram quatro suspeitos no ano passado: os russos Igor Girkin, Sergey Dubinskyi e Oleg Pulátovque são julgados à revelia, além do ucraniano Leonid Kharchenko.

Nenhum deles compareceu no julgamento que começou em março e ainda está em fase regular, sendo que apenas Pulatov é representado por advogados.

Ainda não é claro quantas famílias vão apresentar pedidos de indemnização no julgamento, que deve ocorrer até 2021, ou quanto reivindicarão.

Schijns disse que o tribunal holandês precisa de estabelecer que eles têm o direito, de acordo com a lei ucraniana, de reivindicar o pagamento de danos e que o valor deve fazer justiça à perda.

Fonte: NM

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: