Dicas para cobrir temas econômicos para jornalistas não especializados

0

 

A crise de saúde da COVID-19 também se transformou em uma profunda crise económica quando empresas locais fecharam em todo o mundo, trabalhadores demitidos solicitaram subsídios de desemprego e os bancos centrais adquiriram títulos do governo para injectar dinheiro nas economias locais.

“Isso é devastador para a economia em todo o mundo”, diz Rebecca Christie, pesquisadora visitante do think- tank Bruegel, com sede em Bruxelas, que trabalhou como jornalista por 22 anos. “Ninguém está comprando nada. As pessoas estão demitindo seus trabalhadores. Empresas de todo o mundo estão tendo que repensar dramaticamente suas cadeias de suprimentos.”

Nesta fase, está claro que a pandemia fará com que a economia global entre em recessão (um período de actividade económica significativamente menor), mas qualquer coisa além disso é especulação, diz Christie. “Na verdade, não sabemos o que vai acontecer. Não sabemos se será uma pausa de dois meses ou se será uma repensação total de 18 meses de como fazemos as coisas.”

O que podemos ter certeza é que as notícias económicas, comerciais e financeiras vão dominar as manchetes e as páginas iniciais, como fizeram durante a crise económica de 2008-2009.

“A crise econômica é tão generalizada em todo o mundo e tão profunda que as reportagens económicas estão se tornando um tema central para todos”, diz Carlo Piovano. Como editor de economia da Associated Press em Londres, Piovano trabalha diariamente com repórteres de negócios. Ele também ajuda os repórteres de interesse geral do serviço de notícias a moldar, lançar, desenvolver e escrever pautas.

Não especule

Christie recomenda a repórteres com pouca experiência em reportagem de negócios que recorram a fontes factuais, em vez de comentaristas nos próximos meses.

“É realmente tentador procurar um analista por aí para dizer: ‘Aqui está o que você deve pensar sobre isso; aqui está indo bem e aqui está mal”, diz ela. “A chave para os repórteres de negócios que tentam aprender sobre isso é procurar fontes baseadas em fatos e não em comentários”. Ela recomenda o dicionário da Investopedia para definições dos termos económicos comumente usados ​​e os gibis da Reserva Federal dos EUA para entender melhor os sistemas bancários.

Também é uma boa ideia dar um passo atrás e tentar entender o sistema económico por trás do que você está cobrindo, diz Christie. “Mesmo que seja um número muito simples, pense sobre onde o dinheiro começa, pense sobre onde vai e pense sobre onde deveria terminar”, diz ela. “Ter esse tipo de ponto de ancoragem pode evitar alguns dos pontos cegos em que todos caímos quando começamos a escrever apenas sobre comércio, cuidados de saúde ou qualquer outra coisa.”

Use números com moderação e com contexto

Além disso, não caia na armadilha de números que muitos jornalistas já caíram antes de você, aconselha Piovano. “Acho que a tendência entre os repórteres que não são profissionais é: em caso de dúvida, basta adicionar mais números”, explica ele. “Isso está errado porque, obviamente, mostra que você não sabe qual é o caminho certo.”

Segundo Piovano, uma boa matéria de negócios usa números com moderação e discernimento. “O ideal é ter apenas alguns que realmente contem a história e colocá-los em contexto”, diz ele, acrescentando que os repórteres também devem pensar em contexto ao usar figuras. “É necessário comparar esse número com o ano anterior, com a de outro país, colocá-los em contexto e enquadrá-los.”

Concentre-se na narrativa

Em outras palavras, use números para criar sua narrativa entrevistando pessoas: especialistas independentes e pessoas afetadas pelo que você está escrevendo. Por exemplo, os repórteres que fazem uma matéria sobre a queda nas vendas de carros na Europa devem pensar em maneiras de tornar essas cifras mais concretas. Por exemplo, como esses números afetam uma empresa em particular? Que impacto eles estão tendo nos consumidores?

“Idealmente, se você tiver tempo e espaço, deve personalizar a matéria, humanizá-la. Talvez traga a voz de alguém que está confinado e preocupado com o dinheiro e note que eles comprariam um carro, mas agora não vão mais […] ou o vendedor de carros, por exemplo.

Por fim, Piovano aconselha repórteres a não perder de vista o cerne de uma matéria econômica. “Como qualquer bom jornalismo, as notícias de negócios são sobre uma narrativa e são sobre pessoas”, diz ele. “O grande erro é pensar que as notícias de negócios consistem em examinar um monte de papéis e examinar números. Porque isso é apenas parte da história.”

 

Fonte :https://ijnet.org/pt-br/story/dicas-para-cobrir-temas-econ%C3%B4micos-para-jornalistas-n%C3%A3o-especializados.

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: