Cresce número de crianças pedintes na zona do Zango

0

Dezenas de crianças, entre os 8 e 16 anos de idade, maioritariamente provenientes dos bairros Cajueiro e Santa Paciência, em Viana, ignorando todos os riscos que possam advir de uma possível contaminação da Covid-19, são vistas diariamente a deambularem pelos edifícios da Centralidade do Zango 5, a solicitar ajudas em bens alimentares.

Os menores percorrem diariamente mais de cinco quilómetros, entre ida e volta, em busca de algo para comer, e chegam a correr perigo de vida, pois, algumas vezes são agredidos por alguns moradores. De acordo com relatos das próprias crianças ao Jornal de Angola, vivem momentos de muita fome no seio da família, por isso são obrigadas a tamanho sacrifício no sentido de ajudarem as mães, irmãs ou tias, maioritariamente desempregadas, para que tenham algo em casa para enganar o estômago.

Geralmente debaixo de um sol abrasador, as crianças percorrem bloco a bloco, muitas vezes sem terem comido algo antes. O pequeno Lúcio, 8 anos, cassula de um grupo de quatro irmãos, chegou à Centralidade do Zango 5, por volta das 11h00 e às 16h45, de sexta-feira última, apresentava um ar de cansaço e fome. Não era para menos. Ele, segundo contou, sem ter jantado no dia anterior, comeu apenas um pedaço de pão oferecido por uma “tia”, moradora no Bloco P.

“Desde de manha, só comi pão que uma tia, que mora no Bloco P, me deu. Já andámos muito hoje (sexta-feira). Há pessoas que nos ajudam, mas outros correm connosco, porque dizem que a vida está difícil para todos”, disse. Na busca por alimentos para saciar a fome, as crianças em algumas ocasiões chegam a ser agredidas. O pequeno Santos, 13 anos, ficou uma semana sem marcar presença naquela zona habitacional, por ter sido agredido por um morador com uma marreta, que o deixou com o rosto e cabeça inchada. O mesmo sucedeu com Lúcio. Ele foi ferido no joelho direito com um cinto.

Apesar de certas desfeitas, o incansável Luís, que disse desconhecer o paradeiro do progenitor, dia sim, dia não, mantém a sua caminhada apartamento por apartamento em busca de uma alma caridosa, pois, para ele, regressar a casa, sem um quilo de arroz, um pacote de massa alimentar, uma coxa de frango ou um litro de óleo, pode significar uma noite e uma manhã seguinte de fome.”Já passámos em muitas casas. Três tias nos deram arroz, massa e óleo. Assim, eu e os meus irmãos vamos conseguir comer durante dois dias”, referiu o menor.

O dia-a-dia do pequeno Luís, que frequenta a 2ª classe, numa “explicação”, no bairro Cajueiro, no Zango 4, bem como os seus irmãos e outras crianças dos bairros Cajueiros e Santa Paciência, resume-se em deslocações à centralidade do Zango 5, em busca de comida, ignorando o Estado de Emergência e todos os riscos de contaminação pela pandemia da Covid-19.

A situação das “crianças-pedintes”, como são tratadas, é motivo de preocupação dos moradores da Centralidade do Zango 5. Por isso, pedem às estruturas administrativas do município de Viana e do Distrito Urbano Zango ajuda para as mesmas, com a entrega de cestas básicas aos seus familiares.Na opinião de algumas pessoas, os constantes vai e vem poderão causar situações desagradáveis para essas crianças que têm um grande desejo: serem registadas para “termos nossas cédulas e bilhetes de identidade”.

JA

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: