Covid-19: Passageiros que não foram “testados” estão a ser recolhidos

0

As forças de defesa e segurança estão a recolher, de forma compulsiva, os passageiros vindos de Portugal, que até neste Domingo não foram aos locais de testagem da Covid-19, informou, em Luanda, o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda.

O governante, que falava na habitual conferência de imprensa para actualização de dados sobre a pandemia em Angola, garantiu que as forças de defesa e segurança vão continuar a localizar e deter todos os passageiros que chegaram ao país, nos voos da TAAG, dos dias 16, 17 e 18 de Março. Sem avançar números, Franco Mufinda disse que muitos que não queriam fazer a testagem da Covid-19 foram levados compulsivamente aos centros de quarentena, no Calumbo.

O secretário de Estado para a Saúde Pública informou, também, que os contactos directos e ocasionais dos casos positivos número 26, 31,32,33,34 e 35, num total de 51, estão a ser seguidos pelas unidades sanitárias. Em relação à actividade laboratorial nas últimas 24 horas, o governante disse que não houve alteração dos números. Mantêm-se os 35 casos positivos, dos quais dois óbitos, 11 recuperados e 22 em estado clínico considerado estável, internados em unidades sanitárias de referência.

Até ontem, frisou Franco Mufinda, o Laboratório do Instituto Nacional de Saúde examinou 3.916 amostras, das quais 2.980 negativas, 35 positivas e 980 em processamento. Na quarentena institucional, o governante disse que 886 pessoas estão em seguimento sanitário. Na província de Cabinda 19 pessoas em quarentena tiveram alta e no Zaire dez.

O secretário de Estado para a Saúde Pública informou que o Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) registou 155 chamadas para esclarecimentos e duas denúncias de contactos suspeitos, que estão em investigação. Ainda no capítulo da vigilância epidemiológica, referiu o governante, estão em seguimento mais de 900 contactos directos e ocasionais dos 35 casos positivos. Na província de Benguela foram recolhidas 30 amostras, 34 na Huíla, 27 no Huambo e uma no Namibe.

Franco Mufinda informou também que as províncias do Cuanza-Norte e Sul, Bengo e Cabinda realizaram campanhas de desinfestação e sensibilização sobre a pandemia da Covid-19.

JA

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: