Comemorações do Dia Mundial dos Refugiados marca semana

0

As comemorações em torno do Dia Mundial dos Refugiados marcaram a semana social que hoje, sábado, termina.

A efeméride foi instituída em solidariedade ao continente africano, que abriga o maior número de refugiados e que, tradicionalmente, já celebrava o Dia Africano do Refugiado nessa data.
A propósito do assunto, o Presidente da República, João Lourenço, manifestou a sua solidariedade para com os refugiados de todo o mundo, no dia dedicado aos milhares de seres humanos que vivem nessa condição

Ao longa da semana mereceu também atenção a assinatura de um protocolo de cooperação em matéria de direitos humanos entre o Ministério do Interior (MININT) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O acordo, assinado pelo Secretário de Estado do Interior, José Bamókina Zau, e o representante do PNUD em Angola, Henrik Larsen, visa, entre outros objectivos, a monitorização, avaliação e estatísticas sobre direitos humanos,  aplicação da Lei e Direitos Humanos, bem como a melhoria das relações entre agentes da ordem pública e os cidadãos.
No que toca ao sector da saúde, foi destaque semanal as comemorações do Dia Mundial da Consciencialização sobre a Doença Falciforme, uma data instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU), para informar as populações sobre a enfermidade.

Em Angola, cerca de mil casos são notificados anualmente no Hospital David Bernardino, onde as autoridades sanitárias, através do programa Nacional de Controlo da Doença Falciforme, criaram uma área com recursos humanos e materiais específicos, para atender a demanda.

O anúncio do Ministério da Saúde (MINSA) sobre a possibilidade de reduzir ou subvencionar os preços dos medicamentos para os portadores de anemia falciforme, à semelhança dos fármacos para o tratamento de diabetes e hipertensão arterial, destacou-se igualmente nos noticiários sociais da semana.

Já na área de educação, teve impacto informativo os 243 milhões de kwanzas disponibilizado pelo Banco de Fomento em Angola (BFA) para apoiar, durante o ano de 2019, o projecto Capacitação para Professores Primários “CAPRI”.

Até 2023, o projecto prevê capacitar, a nível nacional, 49.854 professores, e prepará-los para executar as suas funções de forma facilitada, apelativa e inovadora.

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: