Classe jornalística perde 127 membros devido à pandemia

0

Pelo menos 127 jornalistas morreram nos últimos três meses devido à Covid-19, muitos depois de cobrir notícias sobre a pandemia e quase metade na América Latina, informou a Organização Não-Governamental Press Emblem Campaign (PEC).

Segundo a organização, que recolhe dados sobre ataques a jornalistas, registaram-se 62 mortes de jornalistas na América Latina, 23 na Europa, 17 na Ásia, 13 na América do Norte e 12 em África. Pelo menos dois terços dessas mortes estiveram directamente relacionadas com a actividade jornalística, afirmou a ONG, sublinhando que o número real de profissionais de comunicação mortos na pandemia pode ser maior, uma vez que muitos casos não foram registados.

O Peru foi o país do mundo com mais vítimas confirmadas (15), seguido pelo Brasil e pelo México (13 cada), e depois pelo Equador e pelos Estados Unidos, ambos com 12 mortes. Na Europa, o continente com o maior número total de mortes por Covid-19, foi confirmada a morte de cinco jornalistas na Rússia e outros tantos no Reino Unido, além­ de três em Espanha.

“Os trabalhadores de comunicação social têm um papel importante a desempenhar na luta contra o novo vírus, precisam de informar sobre a propagação da doença, mas vários morreram devido à falta de medidas de protecção adequadas no exercício da sua actividade”, afirmou o secretário-geral do PEC, Blaise Lempen.

Centenas de outros jornalistas foram contagiados com a doença da Covid-19, que também forçou o encerramento temporário de vários meios de comunicação, disse o PEC, com base em dados de associações nacionais de jornalistas e colaboradores da organização.
Os nomes dos jornalistas que morreram na pandemia e que foram registados pela Organização Não-Governamental podem ser en-contrados no seu site oficial www.pressemblem.ch.

Fonte: JA/BA

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: