CEDEAO felicita Umaro Sissoco Embaló e espera tomada de posse rapidamente

0

Em comunicado, a que a Lusa teve acesso, a CEDEAO refere ter tomado nota dos resultados das presidenciais de 29 de dezembro divulgados pela Comissão Nacional de Eleições, que dão a vitória do escrutínio a Umaro Sissoco Embaló com 53,55% de votos, enquanto Domingos Simões Pereira obteve 46,45%.
“A comissão da CEDEAO endereça, em consequência, as suas felicitações ao senhor Umaro Sissoco Embaló, vencedor do escrutínio”, lê-se no comunicado, no qual a organização agradece aos outros candidatos presentes nas eleições pelo seu compromisso com os valores democráticos “tão caros à CEDEAO”.
A organização recomenda às instituições implicadas no processo eleitoral para “finalizarem rapidamente o seu trabalho a fim de permitir a investidura do novo Presidente” o que diz ser condição indispensável para a normalização institucional da Guiné-Bissau.
A CEDEAO reitera também a sua disponibilidade de continuar a acompanhar as autoridades guineenses no seu esforço de consolidação da democracia e promoção da paz e estabilidade, consideradas fundamentais para a execução das prioridades de desenvolvimento socioeconómico e a prosperidade da Guiné-Bissau.
A organização diz ter este posicionamento em decorrência da apreciação feita “pelo conjunto das missões de observação eleitoral” que estiveram no terreno, tanto na primeira como na segunda volta do escrutínio, que “reportaram como sendo justas, livres e transparentes”.
O processo eleitoral guineense está mergulhado em polémica, com o assunto a ser analisado pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ) nas suas competências de tribunal eleitoral.
O candidato Domingos Simões Pereira não aceita os resultados, por acusar a Comissão Nacional de Eleições de falhas graves nos procedimentos previstos na lei, alegando que potencia suspeitas de fraude eleitoral.
O STJ ordenou à CNE para realizar o apuramento nacional dos resultados, diligência que o organismo disse já ter feito, antes de publicar os resultados que dão Umaro Sissoco Embaló como o vencedor das eleições.
O parlamento, por sua vez, já fez saber que sem a realização das diligências exigidas pelo Supremo Tribunal à CNE, não poderá dar posse a Sissoco Embaló na data que este propõe, 19 de fevereiro.

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: