A Iodoterapia

0

A iodoterapia é a destruição de células cancerígenas que restaram após a tireoidectomia (remanescentes tireoidianas). Para isso, é utilizado o radio isótopo 131 I (um dos produtos obtidos a partir dos reatores nucleares que utilizam urânio como combustível). Assim como o iodeto, ele também é captado pela glândula tireoidiana e pode ser utilizado na medicina para fins de diagnóstico e tratamento de alguns distúrbios da tiroide.

O iodo radioativo é administrado via oral na forma líquida ou em cápsula e, no organismo, emite radiação gama, semelhante aos raios X, usada para diagnóstico (cintilografia); e radiação beta, usada para tratamento. A dose de 131 I a ser administrada é variável e deve ser decidida pelo médico nuclear, que irá se basear na patologia, exames de imagem e de sangue do paciente. No tratamento de metástases de câncer de tireoide, porém, a dose de radiação costuma ser mais alta. É importante saber que nem todo o iodo radioativo administrado é absorvido e captado pelo organismo – parte é excretada pelas fezes, urina e suor. Para estimular a sua eliminação e reduzir o tempo de exposição a valores mais altos de radiação, os pacientes são orientados a consumir bastante líquido durante a internação.

Preparo para iodoterapia

O preparo para a iodoterapia inclui a suspensão dos anti- tireoidianos (5 dias), nos casos de pacientes com hipertireoidismo por nódulo ou nódulos hiperfuncionates; ou suspensão do hormônio tireoidiano (30 dias) para casos de pacientes com câncer de tireoide.

Outras recomendações dos médicos que devem ser seguidas no preparo para a iodoterapia são:

  • Seguir uma dieta pobre em iodo por um período de 15 a 21 dias, dependendo do serviço
  • Não realizar exames contrastados
  • Não usar esmalte ou base de unha, álcool iodado, mercúrio e produtos iodados
  • Não realizar tratamentos dentários
  • Não realizar exames ginecológicos

O objetivo deste preparo é reduzir a taxa de iodo circulante no corpo antes da terapia com iodo radioativo, a fim de que o 131 I seja mais absorvido pelo organismo e, assim, o tratamento obtenha maior sucesso.

Iodoterapia e isolamento

O paciente que recebe o 131 I deve se manter em isolamento, mantendo-se afastado de outros adultos, crianças e mulheres grávidas, para evitar que estas pessoas se exponham desnecessariamente à radiação. Em alguns casos, quando a dose de iodo radioativo é mais alta, o paciente precisa ser internado para receber o tratamento no hospital.

Cuidados após a iodoterapia

Após a internação, o paciente deverá manter os cuidados de radio iodo proteção em casa por mais alguns dias. Neste caso, os pacientes devem seguir algumas orientações, como:

  • Manter 2 metros de distância dos adultos
  • Não ter contato com crianças ou gestantes
  • Usar pratos, talheres e copos descartáveis
  • Dar a descarga várias vezes ao usar o banheiro
  • Homens devem urinar sentados
  • Lavar a roupa do paciente separadamente
  • Manter a escova de dentes separada e descartá-la após o período de eliminação do iodo
  • Consumir bastante líquido

Efeitos colaterais da iodoterapia

Em relação a possíveis reações do 131 I, os pacientes podem apresentar, a curto prazo, aumento da sensibilidade e inchaço do pescoço, além de náuseas e vômitos. A longo prazo, os pacientes podem ter alteração do paladar, boca seca e olhos secos.

Por alguns meses após o tratamento, os homens podem apresentar algumas alterações no espermograma, que tendem a voltar ao normal com o passar do tempo. Já as mulheres são aconselhadas a não engravidar por, pelo menos, 6 meses após o tratamento.

Na grande maioria das vezes, a iodoterapia é um tratamento que ocorre sem intercorrências e o resultado depende muito do paciente realizar o preparo adequadamente. Assim, se você é candidato a este tipo de tratamento, procure seguir corretamente as orientações do seu médico para que tudo ocorra da melhor maneira possível.

https://www.minhavida.com.br/saude/materias/35872-iodoterapia-o-que-e-para-que-serve-e-cuidados
Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: