WhatsApp admite atividade ilegal nas eleições presidenciais do Brasil

0

O WhatsApp admitiu que a app de mensagens foi usada por empresas para enviarem mensagens em massa durante as eleições presidenciais do Brasil de 2018. “Na eleição brasileira do ano passado houve a atuação de empresas fornecedoras de envios de mensagens em massa, que violaram os nossos termos de utilização para atingir um grande número de pessoas”, admitiu o responsável de políticas públicas e eleições globais do WhatsApp, Ben Supple.

Como recorda a Folha de S. Paulo, o segundo turno das eleições brasileiras foi disputado por Fernando Haddad e Jair Bolsonaro – com este último a ter vencido e ascendido ao posto de Presidente – e foi marcado pela proliferação de ‘fake news’ no WhatsApp.

“Antes do segundo turno da eleição do ano passado, o WhatsApp anunciou que já tinha banido centenas de milhares de contas por tentativa de envio em massa ou automatizado de conteúdo durante o período eleitoral. Nós também notificámos empresas que diziam oferecer serviços de envio em massa de mensagens, uma violação dos nossos termos de serviço. Estamos sempre a trabalhar para aperfeiçoar os nossos sistemas para prevenir abusos”, apontou Supple.

O executivo da app de mensagens pronunciou-se ainda sobre a existência de grupos de WhatsApp onde são partilhados “conteúdos mais polémicos e problemáticos”. “A nossa visão é: não entre nesses grupos grandes, com gente que não conhece. Saia desses grupos e denuncie-os”, aconselhou Supple.

Share.

Sobre o autor

Avatar

Deixar uma resposta