Sintomas de pressão alta: O sinal de alarme que jamais pode ignorar

0

A pressão arterial elevada é um problema extremamente grave, já que torna os indivíduos mais propensos a sofrerem de ataques cardíacos e enfartes potencialmente fatais.

A condição, também conhecida por hipertensão, afeta cerca de 25% dos portugueses.

Os sintomas da patologia incluem dores de cabeça, falta de ar, tonturas e dores no peito. Mas, há um outro sinal menos conhecido e que é muitas vezes indicador de hipertensão.

De acordo com o website médico LiveStrong, sangrar do nariz regularmente pode ser um sinal de aviso de que os valores de pressão arterial estão descontrolados.

As hemorragias nasais podem ser provocadas por uma emergência hipertensa, que ocorre quando a pressão sobe acima dos 180/120mmHg.

Se experienciar esta condição, deverá procurar de imediato um médico.

“Denominada de ‘assassina silenciosa’ a hipertensão raramente se manifesta através de sintomas claros e inequívocos e pode sem dúvida alguma ser mortal quando os níveis estão descontrolados”, pode ler-se no LiveStrong.

Por fim, é deixado o conselho: “Se está a experienciar algum dos sintomas associados à hipertensão, sobretudo o sangramento regular do nariz, deverá contactar de imediato um médico ou farmacêutico. Já que os sintomas podem escalar rapidamente e causar a morte súbita dos indivíduos”.

Fonte: N. Minutos/LD

Share.

Sobre o autor

Avatar

Eliseu Augusto Botelho é jornalista da Televisão Pública de Angola desde Dezembro e 1999. Foi editor do 1º Jornal e do Jornal Nacional, ambos na TPA2 e Coordenador do Jornal da Tarde e co-coordenador do Telejornal, ambos na TPA1. Já foi chefe de redacção do Centro de Produção da TPA em Caxito-Bengo. Actualmente exerce a função de jornalista na Direcção de Multimédia da TPA, cuja tarefa é gerir os conteúdos publicados nas várias páginas do facebook da estação e no seu site oficial. Tem o curso médio de Jornalismo do IMEL e várias formações em Angola e Portugal com professroes, Angolanos, Brasileiros e Portugueses. É licenciado em Relações Internacionais, pelo Instituto Superior de Relações Internacionais, afecto ao Ministério das Relações Exteriores da República de Angola.

Deixar uma resposta