Seis pessoas morrem por consumo de carne contaminada

0

Pelo menos seis pessoas morreram e 12 estão internadas, desde Maio último até a presente data, na comuna do Mulondo, município da Matala (província da Huíla), pelo consumo de carne bovina contaminada por carbúnculo hemático.

A informação foi avançada à Angop nesta quarta-feira, na cidade do Lubango, pelo supervisor provincial para a Promoção da Saúde na Huíla, Júlio Madaleno, tendo referido que as vítimas tenham, possivelmente, consumido a carne de um bovino já morto.

Segundo o responsável, os 12 pacientes estão a ser tratados com antibióticos nas unidades sanitárias da Matala.

Neste momento, precisou, a situação está controlada, há uma equipa multissectorial, integrada por médicos, veterinários, entre outros especialistas, que está a fazer o diagnóstico, recolha de amostras, vacinação do gado e tratamento dos pacientes.

“Os casos de carbúnculos são sazonais. Temos recolhido amostras, mas não temos laboratórios equipados para esse trabalho, por isso está uma equipa de bacteriologistas no terreno a efectuar a colheita de amostras para mandar para o estrangeiro, no sentido de comprovar efectiva a causa da doença”, ressaltou.

Os técnicos, ressaltou, estão também a sensibilizar  a população para não consumir carne de animais que morrerem doentes.

A comuna do Mulondo está a albergar, desde Abril deste ano, pelo menos 60 mil cabeças de gado bovino provenientes da província do Cunene e da República da Namíbia, que buscam água e pasto nesta região.

O que é carbúnculo hemático

Segundo a revista científica de Medicina Veterinária, o carbúnculo hemático é causado por uma bactéria anaeróbica e gram-positiva.

O carbúnculo hemático, também conhecido como antraz, febre esplênica, afecta animais e seres humanos, sendo geralmente mortal.

É uma zoonose que ataca principalmente o gado bovino, ovino e equino causando uma septicemia rapidamente mortal. Em alguns casos, não é possível o tratamento.

No homem produz uma lesão cutânea, conhecida pelo nome de pústula maligna, e a bactéria pode passar para o sangue e causar uma septicemia grave.

O carbúnculo hemático é de fácil transmissão e difícil detecção. A sua profilaxia consiste em imunizar os animais sensíveis, com a vacina para carbúnculo, que ainda é a melhor opção.

Share.

Sobre o autor

Avatar

Deixar uma resposta