Rádio Nacional em silêncio a partir da madrugada de segunda-feira, 29, com trabalhadores em greve por aumentos salariais

0

Os funcionários da Rádio Nacional de Angola (RNA) anunciaram uma greve geral a partir da próxima segunda-feira, 29, para exigir da direcção o aumento salarial, acordado entre a entidade patronal e o Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA).

“Por unanimidade, os trabalhadores da RNA decidiram suspender os trabalhos em todas as áreas, desde os conteúdos, noticiários, entretenimento e programas, a partir do dia 29, à meia-noite”, disse ao NJOnline o coordenador do Sindicato dos Jornalistas da Rádio Nacional de Angola, Africano Neto.

Aquele sindicalista afirmou que, apesar do Presidente da República ter autorizado o aumento salarial de todos os trabalhadores da RNA, a direcção não cumpriu.

“O Presidente da República, João Lourenço, cuja decisão aplaudimos, orientou um reforço orçamental no valor de 178 milhões de kwanzas para vários departamentos ministeriais, mas o nosso espanto é que, na hora da divisão do dinheiro, o conselho de administração decidiu excluir a maioria dos membros desde órgão e vários funcionários”, explicou.

“O PCA da RNA, Marcos António Quintino Lopes, e o administrador executivo para Administração e Finanças, Fidel José Adão da Silva, acharam-se no direito de dar o dinheiro a quem eles entendessem”, continuou Africano Neto, acrescentando que “isso criou um descalabro total no enquadramento salarial dos funcionários”.

Africano Neto diz lamentar que trabalhadores que estão há mais de 30 anos na RNA continuam a ganhar mal, em detrimento dos novos funcionários, que estão a ser bem remunerados, e que só estão há menos de dois anos na instituição.

“Eles estão a ganham entre 300 a 400 mil kwanzas por mês, ao passo que os antigos estão na ordem dos 80 e 90 mil kz”, declarou.

As más condições salariais da única rádio pública de difusão em Angola têm sido amplamente divulgadas, sobretudo quando vários profissionais, como Celestino Gonçalves, António de Sousa e Salu Gonçalves, abandonaram definitivamente a emissora.

Entre as reivindicações dos funcionários da RNA está a definição de um salário mínimo para a classe jornalística de 180 mil kwanzas, a criação de melhores condições de trabalho, a definição de critérios para a atribuição de salários e a transparência nas receitas publicitárias.

Ontem mesmo o CA da RNA fez sair um comunicado, dizendo que solicitou ao Ministreio de Administracao Publica Trabalho e Segurança Social a mediação nos termos da lei

No comunicado, o Conselho de Administracao da RNA reafirma, agora, a sua total disponibilidade para encontrar uma solução em sede de negociação com a maior brevidade possível para situações que forem atendiveis e exequíveis nos marcos da Lei

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: