PR reitera aposta na economia de mercado

0

O Presidente da República, João Lourenço, reiterou esta quarta-feira a aposta do Executivo angolano em instaurar e consolidar no país uma sociedade que respeite o primado da lei e a construção de uma economia de mercado.

João Lourenço discursou, de modo virtual a partir do Palácio Presidencial, em Luanda, como convidado especial na sessão de abertura da 44ª sessão do Conselho de Governadores do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA), organismo que tem a sua sede em Roma, Itália.

Afirmou que o seu Governo pretende diversificar efectivamente a economia nacional e alterar, em termos definitivos, a estrutura económica do país, muito dependente dos recursos do sector petrolífero.

Adiantou que o Executivo angolano tem tomado medidas, no sentido de combater práticas que não são saudáveis nem recomendáveis para a gestão da vida pública do país e que, por serem tão reiteradas, estavam a tornar-se numa séria ameaça ao prestígio do país.

Do ponto de vista económico, salientou o Presidente João Lourenço, Angola tem desenvolvido várias iniciativas, no sentido de melhorar o ambiente de negócios, para atrair cada vez mais investimento privado directo, nacional e estrangeiro.

No entender do Chefe de Estado, Angola precisa de fomentar o crescimento do sector não petrolífero da sua economia, por ser o que mais postos de trabalho pode criar, fazendo com que o país esteja em melhores condições de contribuir para o aumento dos rendimentos e do bem-estar dos seus cidadãos.

O Presidente da República sublinhou o facto do Governo estar a prestar uma atenção especial à agricultura, agro-indústria, pescas, indústrias extractiva e transformadora, construção, turismo e outros sectores intensivos em mão-de-obra.

“Estamos a fazer um grande esforço no sentido de revitalizar e desenvolver a agricultura em Angola, de modo a que possamos reduzir a nossa grande dependência no que respeita a importação de produtos alimentares”, ressaltou.

João Lourenço destacou os resultados das medidas tomadas e ressaltou que “não obstante Angola ter tido em 2020 um crescimento global negativo, o sector da agricultura teve, nesse ano, um crescimento positivo ao redor dos 5 por cento”.

Na sua intervenção, o Estadista angolano avançou que as importações de bens alimentares reduziram 24 por cento, no ano passado, sinal de que a produção nacional começa a ganhar espaço e a substituir produtos que antes eram importados.

Relevância da cooperação bilateral

O Presidente João Lourenço considerou a cooperação internacional, bilateral e com organizações de desenvolvimento, muito importante para o sucesso da luta de Angola pela reconstrução no pós-guerra.

Nesta perspectiva, defendeu a continuidade das parcerias para se debelar os efeitos das crises, resultantes da queda do preço do petróleo no mercado internacional e das alterações climáticas.

Segundo o Chefe de Estado, os projectos de desenvolvimento agrícola em Angola, co-financiados pelo  Executivo e seus parceiros externos, tais como o FIDA, Bancos Mundial (BM) e Africano de Desenvolvimento (BAD), Agência Francesa de Desenvolvimento, União Europeia, entre outros, têm ajudado o país a aumentar a sua resiliência e autonomia, atingindo os objectivos da luta contra a pobreza e aumento da segurança alimentar e nutricional.

O estadista angolano destacou ainda a importância do apoio moral, técnico e material do FIDA, nos esforços de desenvolvimento agrícola e rural de Angola.

Para João Lourenço, o FIDA tem mobilizado, de forma crescente, recursos técnicos e financeiros para executar os projectos de desenvolvimento agrícola e pesqueiro, intervindo em domínios chave de pesquisa e extensão agrárias, reabilitação de infra-estruturas rurais, apoio directo aos investimentos produtivos e promovendo o acesso aos mercados.

O apoio deste organismo internacional, salientou João Lourenço, vem beneficiando mais de 480 mil famílias em pelo menos dez províncias do país.

A 44ª sessão do Conselho de Governadores do FIDA vai decorrer durante dois dias, com participantes em regime presencial na sua sede, em Roma (Itália) e outros, por via remota, a partir dos seus países.

Através de mensagens gravadas, dirigiram-se também aos participantes, na sessão de abertura, o Primeiro-Ministro do Paquistão, Imran Khan, e o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Itália, Luigi di Maio.

O Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) é uma agência da ONU sedeada em Roma, Itália, que tem como missão permitir que populações rurais pobres em países em desenvolvimento superem a pobreza.

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: