Portugal: Livro “Caça às Bruxas” já nas bancas em Lisboa

0

Os amantes da literatura angolana afluíram em massa, terça-feira, na Casa de Angola, em Lisboa, a apresentação do livro “Caça às Bruxas”, do escritor e jornalista Albino Carlos.

Com sala cheia, centenas de pessoas de vários extractos sociais afluíram a “Casa de Angola”, para compra de um exemplar, cuja obra foi lançada em Agosto último, em Luanda, Angola.

Durante a apresentação do livro a poetisa e historiadora angolana Ana Paula Tavares disse que “Caça às Bruxas” serve de introdução a história do feitiço em Angola.

Ana Paula Tavares considerou a obra uma grande referência das tradições nacionais, onde o autor fala dos mitos de feitiçaria que ocorrem no país.

Em declarações à Angop, Albino Carlos disse que o romance, baseia-se num caso real – o fuzilamento sumário de sete feiticeiros, no Kuito Kuanavale, província do Cuando Cubango, no célebre caso “kamutukulenu”.

Dotado de um humor negro e provocador, “Caça às Bruxas” é uma narrativa de intensidade incomum, que faz, com realismo e magia, e cruzando elementos da mitologia tradicional com a própria história, uma insólita paródia das “makas” e das quezílias políticas e as pressões que têm exercido sobre a mentalidade dos angolanos.

O livro é uma sátira que revela a imperiosidade de Angola e os angolanos, cada um e cada qual, enredados nos demónios próprios e alheios.

Albino Carlos destaca-se por escrever sobre a idiossincrasia da alma angolana, sendo enaltecido pela crítica pelo modo como esculpe a palavra, com sublime mestria no transporte do mundo oral para a escrita, convocando em si mesmo uma espécie de griot.

Assinatura reconhecida do jornalismo e figura destacada do meio académico, Albino Carlos é membro da Academia Angolana de Letras, da União dos Escritores Angolanos.

Prémio Nacional de Cultura e Artes na categoria de Literatura, em 2014, com o aclamado livro de contos “Issunje”, conquistou o Prémio de Literatura António Jacinto (2006) com o romance “Olhar de Lua Cheia”, figurando em antologias e edições traduzidas de prestígio.

Fonte: Angop / EB

Share.

Sobre o autor

Eliseu Augusto Botelho é jornalista da Televisão Pública de Angola desde Dezembro e 1999. Foi editor do 1º Jornal e do Jornal Nacional, ambos na TPA2 e Coordenador do Jornal da Tarde e co-coordenador do Telejornal, ambos na TPA1. Já foi chefe de redacção do Centro de Produção da TPA em Caxito-Bengo. Actualmente exerce a função de jornalista na Direcção de Multimédia da TPA, cuja tarefa é gerir os conteúdos publicados nas várias páginas do facebook da estação e no seu site oficial. Tem o curso médio de Jornalismo do IMEL e várias formações em Angola e Portugal com professroes, Angolanos, Brasileiros e Portugueses. É licenciado em Relações Internacionais, pelo Instituto Superior de Relações Internacionais, afecto ao Ministério das Relações Exteriores da República de Angola.

Deixar uma resposta