Pedro Godinho defende mais jogos com equipas da Europa

0

O Presidente da Federação Angolana de Andebol, Pedro Godinho, sugeriu que se crie mecanismos para que equipas como o Petro de Luanda e o 1º de Agosto, em feminino joguem mais com formações da Europa, para superarem as qualidades e os resultados de Angola nas provas africana e mundial.

De acordo com o dirigente, que falava à imprensa no final da Super Taça Masculina e Feminina em Andebol, disputada no pavilhão da Cidadela, o aumento de confrontos com equipas de alto nível, incluindo a equiparação de outras formações do campeonato interno, como Progresso do Sambizanga, são as recomendações ideais para o andebol praticado por estas duas formações que cedem mais atletas à selecção nacional.

Para Pedro Godinho,  as jogadoras petrolíferas e as militares já se conhecem e não resolve a organização de mais jogos entre si.

“É importante optar por outros desafios que podem engrandecer mais o andebol feminino nacional e assim reduzir os indicadores negativos que as mesmas apresentam quando defrontam homólogas nos africanos ou no mundial”, referiu.

O Petro de Luanda conquistou a Super Taça feminina, ao vencer o 1º de Agosto por 21-19, já na classe masculina, o troféu foi para o Interclube que derrotou o 1º de Agosto, por 20-13.

TPA com Angop / EB

Share.

Sobre o autor

Eliseu Augusto Botelho é jornalista da Televisão Pública de Angola desde Dezembro e 1999. Foi editor do 1º Jornal e do Jornal Nacional, ambos na TPA2 e Coordenador do Jornal da Tarde e co-coordenador do Telejornal, ambos na TPA1. Já foi chefe de redacção do Centro de Produção da TPA em Caxito-Bengo. Actualmente exerce a função de jornalista na Direcção de Multimédia da TPA, cuja tarefa é gerir os conteúdos publicados nas várias páginas do facebook da estação e no seu site oficial. Tem o curso médio de Jornalismo do IMEL e várias formações em Angola e Portugal com professroes, Angolanos, Brasileiros e Portugueses. É licenciado em Relações Internacionais, pelo Instituto Superior de Relações Internacionais, afecto ao Ministério das Relações Exteriores da República de Angola.

Deixar uma resposta