Ofertas de trabalho aumentam no sector privado no Huambo

0

Huambo – Apesar da crise económica, as ofertas de trabalho no sector privado aumentaram na província do Huambo entre 2017 a 2018, comparando ao período de Janeiro de 2015 e Dezembro de 2016.

Em declarações à ANGOP, a directora local do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional (INEFOP), Domingas Mundombe, informou que de Janeiro de 2017 a Dezembro de 2018 foram criados dois mil 173 empregos, contra os mil 286 de Janeiro de 2015 a Dezembro de 2016.

Tal aumento de ofertas de trabalho, segundo a responsável, resulta da entrada em funcionamento de novos empreendimentos mercantis, hoteleiros e de prestação de serviço.

Explicou, entretanto, que das  2.173 vagas de emprego, entre Janeiro de 2017 a Dezembro de 2018, somente 2.157 foram preenchidas, tendo em conta o perfil definido pelas entidades empregadoras.

Diferente dos anos anteriores a 2015, em que as empresas do ramo da construção civil eram as maiores empregadoras, Domingas Mundombe deu a conhecer que nos últimos quatro anos foram as empresas de prestação de serviço, comércio e hotelaria que mais empregos criaram.

Quanto à procura de empregos, informou que entre Janeiro de 2017 a Dezembro de 2018 o INEFOP também registou um aumento de 4.727 candidaturas, contra as 3.266 de Janeiro de 2015 a Dezembro de 2016.

Share.

Sobre o autor

Avatar

Eliseu Augusto Botelho é jornalista da Televisão Pública de Angola desde Dezembro e 1999. Foi editor do 1º Jornal e do Jornal Nacional, ambos na TPA2 e Coordenador do Jornal da Tarde e co-coordenador do Telejornal, ambos na TPA1. Já foi chefe de redacção do Centro de Produção da TPA em Caxito-Bengo. Actualmente exerce a função de jornalista na Direcção de Multimédia da TPA, cuja tarefa é gerir os conteúdos publicados nas várias páginas do facebook da estação e no seu site oficial. Tem o curso médio de Jornalismo do IMEL e várias formações em Angola e Portugal com professroes, Angolanos, Brasileiros e Portugueses. É licenciado em Relações Internacionais, pelo Instituto Superior de Relações Internacionais, afecto ao Ministério das Relações Exteriores da República de Angola.

Deixar uma resposta