Nova epidemia poderia matar 900 milhões de pessoas

0

Um novo vírus pode apanhar de surpresa os governos e causar a morte de 900 milhões de pessoas no nosso planeta, segundo um estudo citado pelo diário The Daily Mirror.

Uma equipe de cientistas da Universidade Johns Hopkins de Baltimore, EUA, simulou a propagação de um novo agente patogênico que se dissemina através da tosse e os resultados não podem ser mais preocupantes: a perda de controle sobre a epidemia e uma mortalidade de até 10% da população mundial.
O vírus, designado Clado X, matou 150 milhões de pessoas nos primeiros anos da simulação.

“Não temos capacidade para produzir vacinas contra um novo agente patogênico em alguns meses (e não décadas) e faltam-nos capacidades sanitárias globais que nos permitam identificar e controlar rapidamente o surto antes de se tornar pandêmico”, afirmou um dos especialistas, Eric Toner.

A simulação levou em conta o fato de que a epidemia não seria mais perigoso do que uma enfermidade real como a síndrome respiratória aguda grave (SARS, na sigla em inglês).

O SARS matou 10% das 8.000 pessoas que infetou em 2003, o que o próprio Toner descreveu como um resultado favorável para toda a humanidade.

Fonte: Sputnik / EB

Share.

Sobre o autor

Eliseu Augusto Botelho é jornalista da Televisão Pública de Angola desde Dezembro e 1999. Foi editor do 1º Jornal e do Jornal Nacional, ambos na TPA2 e Coordenador do Jornal da Tarde e co-coordenador do Telejornal, ambos na TPA1. Já foi chefe de redacção do Centro de Produção da TPA em Caxito-Bengo. Actualmente exerce a função de jornalista na Direcção de Multimédia da TPA, cuja tarefa é gerir os conteúdos publicados nas várias páginas do facebook da estação e no seu site oficial. Tem o curso médio de Jornalismo do IMEL e várias formações em Angola e Portugal com professroes, Angolanos, Brasileiros e Portugueses. É licenciado em Relações Internacionais, pelo Instituto Superior de Relações Internacionais, afecto ao Ministério das Relações Exteriores da República de Angola.

Deixar uma resposta