NASA envia esperma humano ao espaço em pesquisa determinante para o futuro da humanidade

0

A tripulação da Estação Espacial Internacional e pesquisadores da Terra ajudarão a determinar como o esperma se comporta na microgravidade, ajudando a responder dúvidas sobre a capacidade reprodução no espaço.

De acordo com a NASA, o experimento faz parte do projeto Micro-11 que busca entender se o tempo as voos espaciais influenciam a saúde reprodutiva humana, particularmente na qualidade do esperma.

Espera-se que o projeto descubra como viabilizar a concepção de bebês em condições de baixa gravidade. A equipe de pesquisa afirma que, na probabilidade de termos que deixar nosso planeta um dia, não resolver a questão colocaria o futuro da humanidade em risco.

“Como planejamos viajar para além da estação espacial com pensamentos de colonização na Lua, em Marte e em outros corpos celestes, a questão de sobrevivência multi-geracional pode ocorrer — não apenas em animais, mas em humanos — é uma questão muito fundamental. Isso precisa ser abordado “, disse o pesquisador do Centro Médico da Universidade de Kansas, Joseph Tash que deve checar as alterações no esperma.
A falta de gravidade desafia a capacidade de fundir um óvulo, embora o esperma possa se mover mais livremente na ausência de peso. “Atrasos ou problemas neste estágio podem impedir que a fertilização aconteça no espaço”, segundo o site da NASA.

Amostras de esperma para o experimento Micro-11 chegaram ao Kennedy Space Center da NASA, na Flórida, onde os pesquisadores as prepararam para o lançamento na Estação Espacial Internacional.

Até agora, os mamíferos tiveram pouco sucesso na reprodução do espaço, ao contrário dos sapos, caracóis e salamandras. Em 2017, a NASA enviou espermatozoides de rato para o espaço exterior; as amostras congeladas sobreviveram a uma viagem de nove meses e ratos saudáveis nasceram após o retorno à Terra.

Amostras de esperma para o experimento Micro-11 em centro da NASA, na Flórida, onde os pesquisadores as prepararam para o lançamento na Estação Espacial Internacional.

Para a pesquisa recente, amostras congeladas de espermatozoides humanos foram lançadas a bordo de um foguete Falcon 9, desenvolvido Elon Musk. A tripulação de astronautas irá descongelá-los, ativá-los com produtos químicos especiais para fazê-lo se mover e esperançosamente poder fundi-lo com um óvulo.

Quando os experimentos terminarem, o espermatozoide será misturado com conservantes e enviado de volta à Terra para análises.

Fonte: Sputnik / EB

Sobre o autor

Eliseu Augusto Botelho é jornalista da Televisão Pública de Angola desde Dezembro e 1999. Foi editor do 1º Jornal e do Jornal Nacional, ambos na TPA2 e Coordenador do Jornal da Tarde e co-coordenador do Telejornal, ambos na TPA1. Já foi chefe de redacção do Centro de Produção da TPA em Caxito-Bengo. Actualmente exerce a função de jornalista na Direcção de Multimédia da TPA, cuja tarefa é gerir os conteúdos publicados nas várias páginas do facebook da estação e no seu site oficial. Tem o curso médio de Jornalismo do IMEL e várias formações em Angola e Portugal com professroes, Angolanos, Brasileiros e Portugueses. É licenciado em Relações Internacionais, pelo Instituto Superior de Relações Internacionais, afecto ao Ministério das Relações Exteriores da República de Angola.

Deixar uma resposta