Montalegre distingue Maria Eugénia Neto

0

O município de Montale-gre, Trás-os-Montes, Norte de Portugal, homenageou a barrosã Maria Eugénia Neto, viúva do primeiro Presidente de An-gola, António Agostinho Neto, e defensora acérrima da cultura e literatura.

A homenagem ocorreu no dia 28 de Fevereiro, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, que contou com casa cheia, entre familiares, amigos e vários conhecidos.
Durante a homenagem, o presidente da autarquia, Orlando Alves, falou de Maria Eugénio Neto como a “Mãe de Angola” e anunciou a possível geminação entre Montalegre e a aldeia de Kaxicane, no município de Icolo e Bengo, província de Luanda, terra natal do falecido marido e fundador da Nação Angolana.
Maria Eugénia Neto nasceu em Montalegre e anos mais tarde foi viver para Lisboa. “O exemplo da mulher barrosã que sai daqui, que se fez por si própria e que ajudou a construir uma grande nação, foi um pretexto para lhe tributarmos esta singela homenagem e que parece poder vir a desembocar numa geminação, que acabou de ser proposta. É um desafio que aceitamos com todo o gosto. Vamos implementá-lo em articulação com os serviços consulares e com a Embaixada”, sublinhou Orlando Alves.
Para Eugénia Neto, a sua passagem por Montalegre “foi um momento de muita felicidade”. “Estivemos em contacto com os barrosões. Revi a minha terra e muitos amigos e vizinhos da minha infância. Estou muito contente pelo acolhimento que tivemos. Esta terra tem uma paisagem muito bonita e onde é visível muito desenvolvimento. Propus uma geminação com a terra onde o meu marido nasceu. Acredito que será muito interessante”, disse.
Irene Neto, filha da homenageada, falou do sentimento e da “grande alegria” de poder acompanhar a mãe e testemunhar o que ela contava sobre as suas vivências. “As suas memórias, as suas aflições e a falta que sentia da família”, disse à imprensa.
Para a presidente da Academia de Letras de Trás-os-Montes, Assunção Anes, foi um momento importante porque a escritora regressou à terra natal. “Tivemos dois mentores associados da Academia de Letras, os barrosões António Chaves e Barroso da Fonte, que propuseram o nome de Eugénia Neto como sócia honorária da nossa instituição”.

Fonte: JA/LD

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: