Ministra satisfeita pela apreciação do ICOMOS a candidatura de Mbanza Kongo

0

A ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, manifestou nesta sexta-feira, em Cracóvia (Polónia), satisfação com a apreciação positiva dos especialistas do Conselho Internacional dos Museus (ICOMOS) do processo de candidatura do Centro Histórico de Mbanza Kongo a Património Mundial.

Segundo a ministra, que falava à imprensa no final da primeira sessão que avaliou a candidatura angolana, os especialistas do ICOMOS fizeram uma apreciação geral na qual destacaram a grande qualidade técnica do projecto apresentado, com profundidade em relação aos dados históricos, arqueológicos e de dimensão universal, pelo facto de tratar a questão da escravatura e do Reino do Kongo, que abarca três (3) civilizações e realidades dos países limítrofes (Gabão, Congo Brazzaville e República Democrática do Congo).

Carolina Cerqueira avançou que os especialistas do ICOMOS ressaltaram também o empenho e dedicação dos técnicos angolanos que facilitaram toda documentação e dados a equipa da UNESCO que esteve no terreno em missão de pesquisa sobre a história do Reino do Kongo.

Ao longo da sessão desta sexta-feira, de acordo com a governante angolana, foram feitas declarações de apoio pelo Burkina Fasso, Portugal e Polónia, que destacaram igualmente a qualidade e o rigor do projecto apresentado por Angola.

Carolina Cerqueira manifestou-se convicta de que no final da sessão de sábado, 8, Mbanza Kongo seja inscrito na lista do património mundial, valorizando, desta forma, um trabalho que contou com o alto patrocínio e empenho do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, que durante uma visita, em 2012, a Mbanza Kongo, reafirmou perante as autoridades locais de que seria património da humanidade.

Nas primeiras sessões de trabalho do Comité do Património Mundial, os membros apreciaram o relatório do orçamento, os relatórios dos órgãos consultivo da Unesco e os relatórios dos 55 sítios que estão na lista do património em perigo, dos quais foram retirados 2 sítios africanos, nomeadamente o Parque Nacional do Simien (Etiópia) e o Parque Nacional de Camoé (Cote d’Ivoire).

Em agenda esteve também a análise do estado de conservação de 99 sítios inscritos na lista do património mundial.

Angola é membro do Comité do Património Mundial da UNESCO para um mandato de quatro (4) anos desde Novembro de 2015, cuja eleição ocorreu durante a 20 Assembleia Geral dos Estados Partes à Convenção do Património Mundial realizada em Paris (França).

O projecto para a inscrição de Mbanza Kongo na lista do Património Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) foi lançado em 2007, nesta cidade, com a realização da II Mesa Redonda Internacional denominada “Mbanza Kongo, Cidade a Desenterrar para Preservar”.

De lá para cá, o plano observou várias etapas de trabalho de pesquisa no terreno e no estrangeiro, levado a cabo por especialistas nacionais e estrangeiros e que culminou com a entrega, em 2016, do dossier definitivo de candidatura ao Comité do Património Mundial com sede em Paris (França). O ponto mais alto deste estudo foi a fase das escavações arqueológicas realizadas na zona classificada desta cidade.

Desde a fundação do reino do Kongo  no século XIII, a cidade de Mbanza Kongo foi a sua capital, o centro político, económico, social e cultural, sede do rei e a sua corte, e como tal o centro das decisões.

Mbanza Kongo foi, no século XVII, a maior vila da Costa Ocidental da África Central, com uma densidade populacional de 40 mil habitantes (nativas) e quatro mil europeus.

Com o seu declínio, a cidade que se encontrava no centro do reino em plena “idade de ouro”, transformou-se numa vila mística e espiritual do grupo etnolinguístico kikongo e albergou as Repúblicas de Angola, Democrática do Congo, Congo Brazzaville e Gabão.

Com uma superfície de 7 mil e 651 quilómetros quadrados, Mbanza Kongo é limitado a norte com o município do Kuimba e pela RDC, a sul e a este com a província do Uíge e a oeste com os municípios do Tomboco e Nóqui.

Com uma população estimada em 155 mil e 174 habitantes (dados do último censo), a cidade de Mbanza Kongo possui cinco bairros, nomeadamente Sagrada Esperança, 4 de Fevereiro, 11 de Novembro, Álvaro Buta e Martins Kidito.

Fonte: ANGOP/BA

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: