Maternidade Lucrécia Paím regista 835 partos em 11 dias

0

A gestora hospitalar considerou normal o trabalho de parto realizado e lembrou que o número de crianças nascidas na maternidade, no período em referência, “não foge muito ao registado no ano transacto, o que deixa animado o corpo clínico que esteve disponível na fase da quadra festiva”.
“Tivemos alguns óbitos de bebés que entraram praticamente sem vida e ainda 384 abortos provocados no domicílio em condições precárias”, disse Manuela Mendes,  que reprovou o comportamento de jovens que praticam aborto, um crime em Angola.
Manuela Mendes lamentou  uma  morte materna por aborto clandestino e em condições péssimas de higiene.
A gestante não resistiu e veio a falecer no dia 24 de Dezembro. “São as tais complicações pós-aborto registadas na quadra festiva”, acentuou a gestora hospitalar.
Manuela Mendes manifestou preocupação com o aumento do número de abortos que dão entrada na unidade sanitária pública.
A responsável acentuou que não se justifica o comportamento de algumas jovens com o argumento de que a maternidade oferece um serviço de planeamento familiar muito eficiente e com várias opções.
Na maternidade do Hospital dos Cajueiros,  de 31 de Dezembro a 1 de Janeiro, foram feitos 20 partos normais e dois  por cesarianas, informou o director-geral da unidade sanitária, Armando João.

Fonte: JA / EB

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: