Lunda-Norte: Vandalizados 25 apartamentos na Centralidade do Mussungue

0

Apartamentos desocupados na Centralidade do Mussungue, na cidade do Dundo, capital da Lunda-Norte, estão a ser vandalizados, pelo que o administrador municipal do Chitato, Gastão Cahata, apela às entidades competentes a comercializarem as casas com urgência, pois, a seu ver, é a única forma de se pôr cobro a esta situação.

Gastão Cahata, apresentou esta sugestão ao governador provincial, Ernesto Muangala, e a responsáveis dos Serviços locais do Fundo de Desenvolvimento Habitacional (FDH) e da Imogestin com quem manteve encontros.



“Creio que a única forma de evitarmos as acções de vandalismo na centralidade é a comercialização dos mais de 700 apartamentos que estão desocupados”, disse ao Jornal de Angola.



O administrador municipal informou que no encontro que manteve com responsáveis do FDH e da Imogestin, recebeu orientação para que o seu elenco “trabalhar com celeridade” para a entrega dos apartamentos aos cidadãos que se candidataram para a compra há mais de quatro anos.



“O Governo Provincial orientou a Administração Municipal para reforçar a segurança na centralidade e a vigilância nos edifícios onde os vândalos direccionam as suas acções“, informou, adiantando que o reforço da segurança será feito através de policiamento motorizado e apeado.



“A falta de iluminação pública em algumas zonas da centralidade tem propiciado a acção dos marginais”, acrescentou.

Apartamentos vandalizados



Ao todo, 25 dos 730 apartamentos desocupados foram vandalizados, segundo o responsável do Fundo de Desenvolvimento Habitacional na província, António Fernandes, revelando que os marginais levaram portas, janelas, fechaduras, loiça sanitária, materiais eléctrico e de canalização. 



“Algumas vezes“, acrescentou, “os meliantes utilizam apartamentos desocupados para descansarem no período da noite”.



Grande parte dos 419 prédios que compõem a centralidade do Mussungue, segundo António Fernandes, não tem protecção física e a preferência dos marginais têm sido as casas dos últimos andares por despertarem menos atenção dos moradores.

Processo de entrega 
dos apartamentos



António Fernandes disse que a morosidade do processo da entrega das casas aos candidatos deve ao facto da empresa Pan China, responsável pela construção da Centralidade do Mussungue, não ter ainda concluído as obras nos 730 apartamentos localizados nos últimos pisos dos edifícios de cinco andares.“Neste momento estão em curso trabalhos de revestimento dos terraços para travar a infiltração das águas das chuvas”, explicou.

“Depois da conclusão das obras”, adiantou António Fernandes, “os candidatos vão receber as residências através da modalidade de arrendamento, uma vez que já foram preenchidas todas as vagas para o processo de rendas resolúveis e comercialização para cidadãos que apresentarem capacidade financeira”.

JA

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: