Grupos infantis na Marginal de Luanda

0

Um total de 15 grupos infantis abre hoje, às 16 horas, na Marginal da Praia do Bispo, em Luanda, as cortinas para os desfiles competitivos da edição 2017 do Carnaval de Luanda.

A maior festa popular angolana é realizada sob o lema “Carnaval de Angola: expressão de identidade e diversidade” e o pontapé de saída na capital cabe às crianças e adolescentes do Kazukuta do Sambizanga.
Lendário e um digno representante do Carnaval de Luanda, o Kazukuta persegue o título de forma ferrenha, tendo espreitado o “ouro” em 2015, quando se classificou em segundo lugar.
O Cassules Viveiros do Njinga Mbandi, vencedor da edição passada, defende o título numa edição que se estima ser renhida pelo ceptro.
O desfile de hoje opõe crónicos candidatos, ou seja vencedores de edições passadas contra emblemáticos grupos que procuram pelo título desde a sua formação.
O Cassules dos Jovens da Cacimba, Viveiros do Njinga Mbandi, da Sagrada Esperança, do 10 de Dezembro e do Café de Angola são alguns dos suspeitos do costume, ou seja, já arrebataram o “ troféu de ouro”.
Apesar das enormes dificuldades enfrentadas pelos grupos, por demais conhecidas pelos apreciadores deste agregar de hábitos e costumes envoltos em música e dança, eles devem estar à altura do que é exigido pelo júri.
Da dança, à alegoria, da canção, à corte, do painel, ao comandante e falange de apoio, têm a tarefa de dar o seu melhor para permanecerem no primeiro escalão da classe infantil.
Segundo o secretário-geral da Associação Provincial do Carnaval (Aprocal), o regulamento dita que os sete últimos classificados descem de escalão.
António de Oliveira “Delón” disse que os oito grupos melhor classificados da presente edição estão isentos da liguilha agendada para o final do ano, no qual são apurados outros grupos para a próxima edição.
O sorteio feito pela Comissão Preparatória do Carnaval de Luanda determinou que a seguir ao Cassules do Kazukuta do Sambizanga desfilam o Cassules Geração Sagrada, do Juventude do Kilamba Kiaxi, do Fogo Negro, do Hoji ya Henda e do Mundo da Ilha. A sequência prossegue com o Cassules do Twafundumuka, do Amazonas do Prenda, do Sagrada Esperança, do 10 de Dezembro, Petrolíferos, Viveiros do Njinga Mbandi, do 54, do Jovens da Cacimba e do Café de Angola, respectivamente. O estilo de dança semba predomina entre os infantis, com 12 grupos, seguido da kazuluta com dois e da cabecinha com um (o vencedor da edição anterior).

Produtos e acessos

Discos com as canções que os grupos das três classes vão usar enquanto desfilam, revistas e outros produtos de divulgação do Carnaval são comercializados nos três dias em que se realiza o Entrudo.
Os Cd, com temas inéditos, as revistas e as camisolas custam 500 kwanzas cada, enquanto os chapéus 200. A Comissão Provincial Preparatória do Carnaval de Luanda coloca alguns produtos do Carnaval à disposição dos foliões para permitir que eles conheçam melhor a história da maior festa popular e dos seus intervenientes directos, os grupos e membros.
Mais de 100 roulottes e tendas de venda de alimentos e bebidas estão montadas no âmbito da festa do Carnaval, onde são comercializados diversos produtos alimentares.
Os bilhetes de acesso às bancadas na Marginal da Praia do Bispo, local que vai albergar os três dias de Carnaval, começaram a ser comercializados ontem, na Praça da Independência, na sede da Associação Provincial do Carnaval de Luanda (Aprocal), na Liga Africana e no local do desfile.
Os bilhetes para o desfile de hoje, na competição dos grupos infantis, custam 500 kwanzas, para o de amanhã, classe B mil e para o de terça-feira, no acto central,  1.500.

Fonte: JA/BA

 

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: