Golfe pode impulsionar o turismo em Angola

0

O Presidente da República, João Lourenço, na qualidade de patrono do “Presidential Golf Day 2019”, primeiro evento no país, foi convidado a dar tacada inaugural do torneio.

Tudo apostos. Taco nas mãos, João Lourenço usou das técnicas da praxe, o famoso “swing”, para a primeira tacada. Mas a primeira tentativa não resultou. Convidados com telefones em punho, câmaras, fotógrafos e jornalistas aguçam a curiosidade. O Presidente parte para a segunda tacada. Desta vez, a tacada foi boa. O grito de satisfação não tardou, quer de João Lourenço, quer dos presentes.

Carregada de simbolismo, a tacada inicial simbolizou a necessidade que o país tem de dar impulso à indústria da paz: o turismo de sol e mar. À tacada do PR seguiu-se as do pequeno golfista Tsaone Madilola, da Primeira-Dama da República, Ana Dias Lourenço, da ministra do Turismo, Ângela Bragança e da ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula Sacramento. Estava aberto o torneio, realizado pela primeira vez em Angola, numa coordenação entre o Ministério do Turismo, o Jazz & Golf Africa e o World Turism Forum (WTF).

Com a participação de mais de 80 golfistas de diferentes nacionalidades, o evento disputou-se ontem e se pretende anual. Nesta primeira edição, esteve voltada para a promoção da imagem de Angola e para a atracção de investimento para o desenvolvimento do turismo de golfe. Após a primeira tacada, o Presidente da República inaugurou as Boxes de Cavalos e, de seguida, assistiu a uma partida de Pólo Equestre, modalidade que, à semelhança do golfe, dá os primeiros passos no país.

Nos Mangais, Barra do Kwanza, João Lourenço concedeu uma breve entrevista exclusiva à CNN Turca e uma outra à imprensa nacional. Ainda ontem, o Presidente recebeu em audiência o presidente do Fórum Mundial do Turismo, o turco Bulut Bagci, e o presidente do Jazz and Golf, Danilo Nhatumbo.
O campo de golfe dos Mangais, que absorveu um investimento de mais de 100 milhões de dólares, é de 18 buracos. Os promotores projectam para o futuro um campo com 36 buracos. Os campos para a prática deste desporto são, na sua essência, muito requintados e carregam sempre uma componente ecológica. O dos Mangais encaminha-se muito bem neste sentido, embora em construção. Um dos maiores investidores do projecto, Álvaro Sobrinho, considerou-o um dos melhores da África Austral, mas especialistas discordam, por ainda não estar no “Top 10” de Àfrica. Ainda assim, muitos praticantes da modalidade o elogiam.

“O investimento é agora”
O Presidente da República afirmou “que o momento para investimento em Angola é agora” e que os primeiros a chegar terão vantagens”.
Em declaração à imprensa, após a abertura do Presidential Golf Day, o Chefe de Estado justificou a afirmação com o facto de o país estar a rumar agora para um ambiente de negócios propício para que o investimento seja feito, principalmente por estarem criadas as condições.

“O investimento em Angola é agora, pois acabamos de criar o ambiente propício para que tal aconteça. O momento é agora e esta oportunidade não deve ser perdida. Os primeiros a chegar, com certeza, terão vantagens”, insistiu o Chefe de Estado.

No que respeita à atracção de investidores, João Lourenço lembrou que “tem de se começar por alguma coisa” e apontou o evento dos Mangais como o pontapé de saída para que homens de negócios ligados ao Turismo desembarquem em Angola. Considera fundamental que não tardem em trazer o seu capital ao país, para os vários domínios da economia nacional, em particular para o turismo.

O Titular do Poder Executivo considerou este desporto um grande embaixador para atracção de investidores, particularmente, por estar mais ligado ao sector do Turismo.

“Se estivermos a falar de investimento na área do Turismo, sem sombras de dúvidas que o Golfe é aquele que está mais ligado ao Turismo. Eis a razão do apoio que damos ao evento Presidential Golf Day e o que deve decorrer na quinta-feira, 23, dia da abertura do Fórum Mundial do Turismo”, realçou.

Sobre o Projecto Okavango, o Presidente da República lembrou que se está a trabalhar com instituições internacionais para o seu arranque e reconheceu que os passos dados até agora não são ainda visíveis.

“Há de chegar o momento em que esta visibilidade vai acabar por surgir”, realçou João Lourenço, que não tem dúvidas de que Okavango virá a ser o principal projecto de Angola.

“Existem outros também importantes, mas pela sua dimensão e potencialidades, o Okavango acabará por ser o principal. Daí que estejamos a dar a devida importância”, disse.

 

Ângela Bragança considera golfe veículo para alavancar o Turismo

A ministra do Turismo, Ângela Bragança, disse, durante o evento, que esta primeira edição do “Presidential Golf Day” não é apenas uma iniciativa desportiva, mas um encontro que visa conjugar o desporto com o lazer, as relações humanas, o ambiente e os negócios.

Ângela Bragança assegurou ainda que o país reúne todas condições para se posicionar como uma potência na região Austral e no mundo.
“Temos apenas de acreditar, trabalhar e realizar as coisas, juntando vontades, como as que conseguimos com a preparação e organização deste evento”, referiu Ângela Bragança.

Para a ministra, o mais importante é redobrar esforços para que essa iniciativa não morra no relvado e seja uma verdadeira rampa de lançamento que garanta investimentos externo.

Afirmou estarem a despontar no horizonte várias intenções que podem ser encaminhadas, por exemplo, para as potencialidades existentes no Cabo Lebo, Okavango Zambeze, em Calandula e outras regiões do país, que sejam capazes de tornar Angola num destino turístico de referência no golfe.

“É com este espírito que nos propusemos abraçar e organizar esse evento, para, pelo menos uma vez por ano, contarmos com a presença de empresários e do Presidente da República, como patrono da prova”, concluiu.

Jazz and Golf

Por outro lado, para o director do “Presidential Golf Day”, Danilo Nhantumbo, o facto de o Presidente da República, João Lourenço, eleger o turismo para que outros sectores funcionem devidamente é facto marcante. “Por isso, reiteramos o nosso compromisso de investir, trabalhar e criar mais postos de trabalho em Angola.

Mais mobilidade

O ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, considerou a prática do golfe um importante veículo para alavancar o turismo no país, assegurando que o seu sector tem a grande missão de garantir a conectividade e mobilidade das pessoas através dos vários sistemas de transportes.

O ministro falava durante a competição “Presidential Golf Day”, que decorreu ontem no Complexo dos Mangais, na Barra do Kwanza, em Luanda.

Reconheceu que a coordenação entre os sectores dos transportes e do turismo ainda é crítica, dai a necessidade de “juntar esforços para trazer turistas ao nosso país, afim de usufruírem das belas paisagens e outras potencialidades”.

Ricardo de Abreu sublinhou que tem havido um esforço do Executivo na implementação de várias infra-estruturas para o turismo, com o objectivo de melhor responder à procura e permitir que os preços das unidades hoteleiras e da restauração baixem.

Para o ministro, a vinda de vários investidores par o “Presidential Golf Day” é uma amostra importante para se começar a pensar na construção de mais campos, em outras regiões do país, para a prática do golfe.

De acordo com dados, a África do Sul já organiza o “Presidential Golf Day” há mais de 14 anos. A experiência e ganhos que este país da região da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) tem recebido, com a organização deste evento, também serviu de mola impulsionadora para que Angola trilhe o mesmo caminho.

Anunciada construção de hotéis de 5 estrelas

O presidente do Fórum Mundial do Turismo, Bulut Bagci, anunciou ontem, nos Mangais Golf Resort, em Luanda, à margem do “Presidencial Golf Day”, a construção de três hotéis de cinco estrelas nos próximos dois anos no país.

Segundo Bulut Bagci, a primeira unidade hoteleira será erguida no centro da capital, a segunda foi projectada para o Pólo de Desenvolvimento Turístico do Cabo Ledo e outra para o município da Quiçama, onde, além destes empreendimentos, serão igualmente construídos outros equipamentos hoteleiros.

Bulut Bagci, que não avançou o custo total de construção dos hotéis, afirmou que Angola consta actualmente nas prioridades absolutas do turismo mundial, devido ao enorme potencial que possui, que não pode ser ignorado, mas que, pelo contrário, precisa de um maior aproveitamento e divulgação, para atrair investimento.

Para o “número um” do turismo mundial, o grande objectivo do Presidential Golf Day é tornar Angola num dos principais destinos turísticos do mundo, a curto prazo.

“Há muito potencial que deve ser aproveitado e esta é a visão central da realização deste Fórum em Angola”, disse. De acordo com o responsável, não se pode falar em desenvolvimento turístico à escala mundial, sem a implementação do golfe, uma vez que se trata de uma modalidade que atrai os melhores e os maiores investidores mundiais, além de ser uma actividade milionária, que congrega em si interesses económicos das grandes multinacionais.

“Posso garantir que, se tudo correr bem, no próximo ano, vários investimentos serão canalizados para Angola, mas é preciso ainda um grande trabalho nesta área para se aproveitar todo potencial”, garantiu.

Potencial inquestionável

Já o jornalista turco Oguz Bayram, enviado da CNN Turquia ao Fórum, reconheceu o grande potencial turístico dos locais que visitou, com o particular realce para o Parque Nacional da Quiçama, afirmando ser inquestionável a dimensão das potencialidades do turismo angolano, além das belezas naturais que preenchem o país.

O jornalista elogiou o campo dos Mangais, cujas condições e qualidade nada deve aos grandes campos internacionais. “Estamos aqui para levar ao mundo imagens de um país bastante rico. Há muitos investidores turcos com interesses particulares de negócios em Angola e o turismo é, certamente, a área de maior interesse”, ressaltou.

Bom indicador

O bancário Álvaro Sobrinho salientou, por seu lado, que o facto de Angola ter facilitado a concessão de vistos para a região da África Subsariana e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) é um indicador da aposta no turismo como fonte de arrecadação de receitas.

Na sua visão, os problemas nem sempre estão nas questões financeiras, mas nos bloqueios que se colocam e nos níveis de confiança em quem pretende investir. Afirmou também que o Turismo não se desenvolve com muitos obstáculos administrativos, a julgar que este segmento da economia nacional só representa 3,5 por cento no Produto Interno Bruto (PIB), quando há países da África Austral e da SADC em que representa 25 por cento no PIB.

“O turismo é uma fonte de receitas de dois níveis, sendo primeiro com a prestação de serviços e segundo com a entrada de divisas para o país”, disse Álvaro Sobrinho, um dos primeiros homens de negócios a investir no Complexo dos Mangais.

“Estamos a falar num investimento superior a 100 milhões de dólares ao longo dos seis/sete anos. Se olharmos para a Costa Oeste de África, não temos campos de golfe equiparado aos Mangais, o que lhe confere a vaidade de ser um dos melhores de África”, apontou. Sobrinho considera ainda que a vinda ao país de mais de 80 jogadores da modalidade é um sinal de que o sector é promissor.

Tiger Woods pode vir a Angola

O presidente do Fórum Mundial do Turismo (WTF), Bulut Bagci, prometeu trazer a Angola o golfista norte-americano Tiger Woods, como convidado de honra para participar da segunda edição do “Presidemtial Golf Day”, a ter lugar no próximo ano, no Campo do Resort Mangais, na Barra do Kwanza, em Luanda.

A possibilidade da vinda de Tiger Woods foi anunciada ontem por aquela entidade, quando falava à imprensa no decorrer do Presidential Golf Day.
“Tudo o que posso dizer é que o Danilo Nhantumbo (presidente do JGA) e eu prometemos trazer Tiger Woods no próximo ano. Penso que é uma óptima notícia”, argumentou Bulut Bagci.

A vitória no Masters Augusta deste ano confirma-se como um dos maiores feitos recentes de Tiger Woods. Não foi, por isso, uma surpresa quando o golfista recebeu de Donald Trump uma condecoração com a Medalha da Liberdade. “Estamos perante uma verdadeira lenda”, justificou o Presidente dos EUA.

Woods e Bobby Jones foram os únicos golfistas a ganhar treze títulos importantes antes dos 30 anos de idade. Ganhou mais vezes o mediático torneio da Associação de Golfistas profissionais, na sigla em inglês PGA, do que qualquer outro atleta em actividade.

Recorde-se que há um mês, em declarações ao Jornal de Angola, o presidente de direcção da Federação Angolana da modalidade (FAGOLFE), Almir Soares, revelou que o país vai albergar o Torneio Africano de Golfe da Região V, prova a decorrer no mês de Abril, no Campo dos Mangais.

O evento de maior relevância a nível da zona Austral do continente, sob chancela da Associação Africana de Golfe, vai contar com a participação das selecções da África do Sul, Namíbia, Zimbabwe, Lesotho, Moçambique, Ilhas Maurícias, Malawi, eSwatini, Zâmbia e Quénia.

TPA com JA/LD

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: