Facebook: “O nosso papel não é intervir quando os políticos falam”

0

A proliferação de discurso extremado de algumas alas políticas tornou a moderação do discurso político um dos pedidos mais frequentes da parte dos utilizadores das redes sociais, entre elas o Facebook. Porém, diz o responsável pelas comunicações da empresa, Nick Clegg, que a tecnológica não tem qualquer responsabilidade em fazê-lo.

“O nosso papel não é intervir quando os políticos falam”, apontou Clegg numa publicação de blogue, apontando como merecedores de atenção apenas o conteúdo que “possa levar a perigo e violência no mundo real”. “Se alguém faz uma afirmação ou partilha uma publicação que viole os nossos standards de comunidade, ainda o permitiremos na nossa plataforma se considerarmos que o interesse público de o ver é mais importante que o risco de perigo”, explicou Clegg numa publicação de blogue.

Esta estratégia do Facebook de tratar discurso político como um conteúdo noticioso não é única da empresa de Mark Zuckerberg, uma vez que também o Twitter a emprega como justificação para manter utilizadores como o Presidente dos EUA, Donald Trump.

“Eu sei que algumas pessoas dizem que devíamos ir mais longe. Que estamos errados em permitir que os políticos usem a nossa plataforma para dizer coisas horríveis ou fazer afirmações falsas. Mas imaginem o contrário. Seria aceitável para a sociedade em geral ter uma empresa privada a incumbir-se da tarefa de árbitro para tudo o que os políticos dizem? Não acredito que seria. Em democracias abertas, os eleitores acreditam que, como regra, devem ser eles próprios a julgar o que os políticos dizem”, adiantou Clegg.

Share.

Deixar uma resposta