Estação de comboios de alta velocidade é palco de protesto em Hong Kong

0

Manifestantes contra o Governo de Hong Kong querem manter a pressão sobre o executivo com uma manifestação, hoje, perto de uma estação controversa de onde partem comboios de alta velocidade para a China continental.

É a primeira manifestação na antiga colónia britânica desde o ataque à sede do Conselho Legislativo, no dia 01 de julho, quando o território comemorava o 22.º aniversário da transferência de soberania.

Os organizadores prometeram que o próximo protesto contra a proposta de lei de extradição – desta vez com o objetivo de apelar à compreensão dos visitantes da China continental – será “pacífico e racional”.

Citado pelo jornal South China Morning Post, o organizador Ventus Lau sublinhou que o objetivo é apenas encorajar os visitantes do outro lado da fronteira a apoiar a causa dos manifestantes, tendo rejeitado qualquer ato violento contra a estação de West Kowloon.

“Não encorajamos ou esperamos que qualquer manifestante entre na zona portuária do continente. Não seremos tão ingénuos ao ponto de arriscarmos sermos enviados para o continente, tenho certeza que ninguém o fará”, disse Lau.

Durante semanas, Hong Kong mergulhou numa crise política desencadeada por um projeto de lei que permitiria a extradição de suspeitos de crimes para a China.

A aversão ao documento resultou em maciças manifestações pacíficas, mas também numa série de confrontos violentos com a polícia.

Os protestos obrigaram a chefe do Governo a suspender a discussão da proposta de lei e a pedir desculpas à população. Contudo, Carrie Lam recusou-se sempre a retirar definitivamente a proposta de lei.

Os manifestantes exigem a retirada definitiva da proposta, uma investigação independente sobre a utilização de gás lacrimogéneo e balas de borracha pela polícia, uma amnistia para os detidos e a demissão da líder pró-Pequim de Hong Kong, Carrie Lam.

Os defensores da lei argumentam que, caso se mantenha a impossibilidade de extraditar suspeitos de crimes para países como a China, tal poderá transformar Hong Kong num “refúgio para criminosos internacionais”.

Os manifestantes dizem temer que Hong Kong fique à mercê do sistema judicial chinês como qualquer outra cidade da China continental e de uma justiça politizada que não garanta a salvaguarda dos direitos humanos.

A transferência de Hong Kong e Macau para a República Popular da China, em 1997 e 1999, respetivamente, decorreu sob o princípio “um país, dois sistemas”, precisamente o que os opositores às alterações da lei garantem estar agora em causa.

Para as duas regiões administrativas especiais da China foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário, sendo o Governo central chinês responsável pelas relações externas e defesa.

Fonte: N. Minutos/LD

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: