Ébola: Epidemia na RD Congo continua a ser emergência de saúde pública

0

O Comité de Emergência da Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou hoje que a epidemia de Ébola na República Democrática do Congo (RDCongo) continua a ser uma emergência de saúde pública internacional.

Um comunicado do diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que foi aceite a recomendação do Comité de Emergência em manter esta designação para aquela que é a segunda maior ocorrência de sempre da doença.

“Tem sido feito um progresso tremendo para a contenção deste surto em circunstâncias muito difíceis. Até sexta-feira, passaram-se 54 dias sem novos casos confirmados e 40 dias desde que o último paciente conhecido com Ébola teve alta”, diz o diretor-geral da OMS.

Desde sexta-feira foram registados três novos casos de Ébola na RDCongo, tendo morrido dois dos infetados.

No domingo assinalar-se-iam os 42 dias necessários — o equivalente a dois ciclos de incubação da doença — para que as autoridades de saúde declarassem como concluída a epidemia de Ébola declarada em agosto de 2018 pelas autoridades congolesas.

“A fonte da sua infeção ainda está sob investigação. É provável que novos casos sejam identificados”, acrescentou o responsável da agência das Nações Unidas.

Segundo o diretor-geral da OMS, as autoridades preveem a formação de focos de Ébola, algo com que as equipas no terreno já estão familiarizadas.

“As nossas equipas em Beni têm experiência na resposta a novos casos e agiram rapidamente para interagir com as comunidades afetadas, investigar alertas, identificar e vacinar contactos, descontaminar casas e instalações e enviar amostras para sequenciação”, referiu Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O diretor-geral da OMS apontou ainda que os grupos armados continuam presentes na área onde os casos foram registados e que a falta de fundos “está a limitar a resposta”.

Além disso, a pandemia de covid-19, provocada pelo novo coronavírus, está “a acrescentar desafios a uma operação já complexa”.

“Temos de nos antecipar e estar preparados para pequenos surtos. Precisamos de toda a força de todos os parceiros para controlar estes surtos e satisfazer as necessidades das pessoas afetadas”, concluiu o responsável da OMS.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, 2.276 pessoas morreram devido ao Ébola, entre 3.456 casos confirmados e prováveis, desde agosto de 2018.

O atual surto ocorreu em condições especialmente difíceis, entre ataques mortais dos rebeldes, suspeitas da comunidade e algumas das infraestruturas mais fracas do mundo em áreas remotas.

Esta epidemia é a segunda mais mortífera de Ébola de que há registo, sendo apenas ultrapassada pela que atingiu a África Ocidental entre 2014 e 2016 e que matou mais de 11.300 pessoas.

O Ébola transmite-se pelo contacto com fluidos corporais infetados e a rapidez do tratamento é determinante para as possibilidades de sobrevivência, sendo que a sua taxa de mortalidade alcança os 90%, caso não seja tratado a tempo.

Fonte: Notícias ao Minuto/ JS

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: