Covid-19: Testes rápidos detectam quatro casos suspeitos na Escola Nacional de Saúde Pública

0

Quatro casos positivos da Covid-19 foram detectados ontem no rastreio de testes rápidos serológicos realizados na Escola Nacional de Saúde Pública, cujos cidadãos aguardam em quarentena institucional o resultado final do teste nasofaringe RT-PCR com a zaragotoa.

Dos quatro infectados, dois assintomáticos tiveram resultados IGM (significa que têm a doença) e outros dois casos com resultados IGG (a pessoa teve contacto com o vírus e pode estar imunizada). Todos foram já encaminhados para quarentena institucional, enquanto aguardam pelos resultados de RT-PCR. A informação foi avançada pela supervisora em serviço, Maria Avelina, tendo esclarecido que os casos positivos são três homens, entre os quais um jovem de 22 anos de idade, e uma mulher.

Segundo a supervisora, foram realizados um total de 210 testes às pessoas que pretendem viajar devidamente autorizados e justificados. Mas os que tiveram a oportunidade de realizar o exame também o fizeram. “A doença quando diagnosticada mais cedo, melhor controlo haverá, no sentido de se evitar o contágio de outras pessoas”, disse.

Demora na realização dos testes

Apesar de ter aguardado mais de sete horas para a realização do teste da Covid-19, Luís Flôr não escondeu a satisfação de ver o resultado negativo e seguir viagem para uma das províncias do país. “Fui orientado pelos responsáveis da empresa onde presto serviço de camionista que tinha de fazer o teste para poder sair de Luanda.

A partir da capital para outras províncias transporto desde alimentação, materiais de construção, mobiliário e outros bens de primeira necessidade”, afirmou. Para Filipe Gomes, a testagem foi rápida, mas a demora para ser atendido foi um facto negativo. Conta que chegou ao local às 6 horas e os profissionais de saúde só começaram a atender às 13 horas.

“Trabalho numa empresa de transporte de mercadorias diversas, por isso, tenho necessidade de deslocar-me ao interior do país com regularidade”, disse, tendo acrescentado que, na sexta-feira já estava a caminho da província de Benguela, quando foi notificado pelo chefe a regressar por falta do teste.
Com o teste da Covid-19, disse, está mais aliviado e não terá problemas nas barreiras policiais.

Ferraz Longa é camionista e tem realizado viagens para todas as províncias do país. Apesar do resultado negativo, destaca a falta de organização na realização dos testes que, no seu entender, aborreceu muitas pessoas que pretendiam fazer o exame. Por outro lado, a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, esclareceu que os testes efectuados na Escola Nacional de Saúde Pública são para os cidadãos devidamente autorizados a sair de Luanda para outras províncias.

Na conferência de imprensa realizada quinta-feira, no Centro de Imprensa Aníbal de Melo, a também porta-voz da Comissão Multissectorial do Combate à Covid-19 precisou que não podem deslocar-se à essa unidade no dia da viagem, mas antecipar pelo menos um dia antes.

Por outro lado, Sílvia Lutucuta reconheceu os congestionamentos registados na quinta-feira, nas saídas de Luanda, dando garantias de que os ministérios do Interior e da Saúde tudo estão a fazer para ultrapassar tal dificuldade, colocando um posto avançado móvel de testagem nas principais saídas de Luanda.

Fonte: JA/BA

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: