Comunicação Social chamada a enfatizar esforços do combate à cólera

0

Os órgãos de comunicação social devem dar ênfase aos esforços feitos ao nível das comunidades para o estancamento do surto de cólera que assola a província de Cabinda, disse quinta-feira, nesta cidade, o secretário de Estado da Comunicação Social, Celso Malavoloneke.

O governante, que se pronuncia no final da visita de trabalho de 24 horas a Cabinda, no âmbito do surto de cólera que assola a província, esclareceu que os órgãos de comunicação social para além do componente noticioso, a medida que se anuncia os casos da doença devem também transmitir os esforços feito a nível das comunidades, igrejas, autoridades tradicionais, associações, dentre outras, para o combate à doença.

Deste modo, prosseguiu, permitirá alavancar a socialização de bons exemplos, na sensibilização de práticas sociais positivas para o bem-estar das populações.

Durante a sua estada, a delegação da comissão interministerial de combate a epidemias visitou os bairros Comandante Gika, 1º de Maio, 4º de Fevereiro, o Centro de tratamento de cólera no Hospital Provincial de Cabinda (HPC), o Hospital 28 de Agosto e o Depósito de Medicamentos da Secretaria Provincial da Saúde.

Fonte: Angop / EB

Share.

Sobre o autor

Eliseu Augusto Botelho é jornalista da Televisão Pública de Angola desde Dezembro e 1999. Foi editor do 1º Jornal e do Jornal Nacional, ambos na TPA2 e Coordenador do Jornal da Tarde e co-coordenador do Telejornal, ambos na TPA1. Já foi chefe de redacção do Centro de Produção da TPA em Caxito-Bengo. Actualmente exerce a função de jornalista na Direcção de Multimédia da TPA, cuja tarefa é gerir os conteúdos publicados nas várias páginas do facebook da estação e no seu site oficial. Tem o curso médio de Jornalismo do IMEL e várias formações em Angola e Portugal com professroes, Angolanos, Brasileiros e Portugueses. É licenciado em Relações Internacionais, pelo Instituto Superior de Relações Internacionais, afecto ao Ministério das Relações Exteriores da República de Angola.

Deixar uma resposta