CAF anula final da Champions

0

A Confederação Africana de Futebol (CAF) anulou o jogo da final da Liga dos Campeões entre o Espérance de Tunis e o Wydad Casablanca do Marrocos e remarcou-o para campo neutro.

O organismo que tutela o futebol africano, que ainda não decidiu o local e a data da partida (prevê-se para depois do CAN2019), orientou que a equipa tunisina deve devolver o troféu e as medalhas.

A partida, que terminou com vitória de 1-0 para os tunisinos, na condicção de anfitriões, foi remarcada devido ao escândalo na ponta final. Na primeira “mão” o resultado foi de igualdade a uma bola.

O Vídeo Árbitro (VAR) “quebrou” na hora de rever um golo mal anulado ao Wydad Casablanca, que depois se recusou a ficar em campo por se sentir prejudicado e o Espérance foi declarado vencedor, tendo recebido o troféu e as medalhas.

Em comunicado oficial, após reunião quarta-feira do seu Comité Executivo, a CAF declarou que a partida da segunda “mão” da Liga dos Campeões Africanos não cumpriu as condições desportivas e de segurança, por isso não chegou ao final. O relatório da arbitragem não aponta para a desistência do Wydad Casablanca, e sim para esta falta de condições.

A África do Sul deve ser escolhida para acolher o jogo único. A CAF pretende que a final aconteça bem longe do norte da África, por razões de segurança.

Fonte: Angop/LD

Share.

Sobre o autor

Avatar

Eliseu Augusto Botelho é jornalista da Televisão Pública de Angola desde Dezembro e 1999. Foi editor do 1º Jornal e do Jornal Nacional, ambos na TPA2 e Coordenador do Jornal da Tarde e co-coordenador do Telejornal, ambos na TPA1. Já foi chefe de redacção do Centro de Produção da TPA em Caxito-Bengo. Actualmente exerce a função de jornalista na Direcção de Multimédia da TPA, cuja tarefa é gerir os conteúdos publicados nas várias páginas do facebook da estação e no seu site oficial. Tem o curso médio de Jornalismo do IMEL e várias formações em Angola e Portugal com professroes, Angolanos, Brasileiros e Portugueses. É licenciado em Relações Internacionais, pelo Instituto Superior de Relações Internacionais, afecto ao Ministério das Relações Exteriores da República de Angola.

Deixar uma resposta