Avião da Ethiopian Airlines caiu por causa de “sensor danificado” no ar

0

O avião Boeing 737 MAX 8 da Ethiopian Airlines que se despenhou no início de março passado, matando todos os 157 passageiros a bordo, sofreu danos num sensor pouco depois de levantar voo, provavelmente causados por uma ave ou um objeto estranho, dizem fontes próximas da investigação ao ABC News.

Os danos causados a este sensor específico, no ‘ângulo de ataque’ do avião, originaram a transmissão de dados errados, o que levou à ativação do sistema anti-paragem do aparelho. Este sistema automático, desenhado para impedir o avião de parar, forçou o nariz do avião para baixo, o que culminou no despenhamento.

Recorde-se que o Wall Street Journal já tinha avançado com esta mesma informação, no final de março, indicando que o relatório preliminar apontava para a ativação automática do sistema de controlo de voo.

A ABC News apurou, junto de fontes da aviação, que os pilotos tentaram subir o nariz do avião manualmente, mas sem sucesso. O sistema anti-paragem voltava a ativar-se, fazendo com que os pilotos perdessem o controlo do aparelho.

A Boeing, por seu turno, emitiu um comunicado, esta quarta-feira, onde pede “cautela” com “especulação e determinação de conclusões” antes da divulgação “dos dados de voo e do relatório preliminar”. As conclusões preliminares da investigação serão anunciadas pelas autoridades da Etiópia na quinta-feira de manhã.

Recorde-se que o Boeing 737 MAX 8 com destino a Nairobi caiu seis minutos depois de ter levantado voo de Adis Abeba, com 157 pessoas a bordo – 149 passageiros e oito tripulantes.

Este é o segundo acidente envolvendo um Boeing 737 MAX. O primeiro ocorreu ao largo da costa da Indonésia, em circunstâncias semelhantes, em 29 de dezembro, e resultou também na morte de todos os ocupantes.

Fonte: N. Minutos/LD

 

Share.

Sobre o autor

Avatar

Eliseu Augusto Botelho é jornalista da Televisão Pública de Angola desde Dezembro e 1999. Foi editor do 1º Jornal e do Jornal Nacional, ambos na TPA2 e Coordenador do Jornal da Tarde e co-coordenador do Telejornal, ambos na TPA1. Já foi chefe de redacção do Centro de Produção da TPA em Caxito-Bengo. Actualmente exerce a função de jornalista na Direcção de Multimédia da TPA, cuja tarefa é gerir os conteúdos publicados nas várias páginas do facebook da estação e no seu site oficial. Tem o curso médio de Jornalismo do IMEL e várias formações em Angola e Portugal com professroes, Angolanos, Brasileiros e Portugueses. É licenciado em Relações Internacionais, pelo Instituto Superior de Relações Internacionais, afecto ao Ministério das Relações Exteriores da República de Angola.

Deixar uma resposta