Arábia Saudita e EUA acusam Irão de ataque a petrolífera

0

A Arábia Saudita anunciou que vai repor a produção de petróleo até ao final do mês, depois de perdas 5 milhões e 700 mil barris por dia (bpd), na sequência de um ataque de drones a instalações da gigante petrolifera Aramco, no passado fim-de-semana.

Agora, as autoridades sauditas dizem ter provas de que o armamento usado no ataque tem origem iraniana e querem apoio internacional na condenação do Irão.

“Os contínuos apoios a grupos terroristas, agressões e interferências no comércio marítimo do Irão representam uma ameaça a todos nós. Apelamos à comunidade internacional que reconheça a atividade maligna do Irão na região”, afirmou o ministro saudita da Defesa, Turki Al-Malki.

Contrariando os apelos sauditas, rebeldes iemenitas huthis reivindicaram os ataques, alegadamente realizados como forma de retaliação à intervenção da Arábia Saudita na guerra que assola o Iémen desde 2015.

No entanto, o presidente e o secretário de Estado norte-americanos prontificaram-se a acusar o Irão da autoria dos ataques.

O governo iraniano desmente, tendo já avisado Washington de que o país vai responder a qualquer ataque dos Estados Unidos. Por sua vez, Donald Trump reagiu no Twitter, tendo anunciado que deu ordens a Mike Pompeo, em visita de Estado à Arábia Saudita, para “aumentar significativamente” as sanções ao Irão e admite até uma intervenção militar contra o país.

Fonte: Euronews/LD

Share.

Sobre o autor

Avatar

Eliseu Augusto Botelho é jornalista da Televisão Pública de Angola desde Dezembro e 1999. Foi editor do 1º Jornal e do Jornal Nacional, ambos na TPA2 e Coordenador do Jornal da Tarde e co-coordenador do Telejornal, ambos na TPA1. Já foi chefe de redacção do Centro de Produção da TPA em Caxito-Bengo. Actualmente exerce a função de jornalista na Direcção de Multimédia da TPA, cuja tarefa é gerir os conteúdos publicados nas várias páginas do facebook da estação e no seu site oficial. Tem o curso médio de Jornalismo do IMEL e várias formações em Angola e Portugal com professroes, Angolanos, Brasileiros e Portugueses. É licenciado em Relações Internacionais, pelo Instituto Superior de Relações Internacionais, afecto ao Ministério das Relações Exteriores da República de Angola.

Deixar uma resposta