Afrotaças: 1º de Agosto eliminado da Liga africana

0

Ao perder (0-1) diante dos sul-africanos do Kaizer Chiefs, o 1º de Agosto fica de fora da Liga dos Clubes Campeões e vai disputar a última eliminatória de acesso à Taça da Confederação Africana de Futebol (CAF).

Em pleno seu reduto (Estádio 11 de Novembro), os “militares” revelaram-se incapazes de garantir o segundo apuramento consecutivo à fase de grupos da “champions” (quarto no seu histórico), apesar de ter criado várias oportunidades de golo, num jogo em que a equipa demonstrou faltar ainda muito trabalho por se fazer.

Isolado à entrada da área, Mabululo teve (aos 38 minutos) a oportunidade mais flagrante, mas atirou ao lado da baliza e no lance seguinte o adversário marcou o único golo da partida, por intermédio de Castro (40’), que ditou o afastamento da formação angolana.

Em desvantagem, o técnico Paulo Duarte apostou no ataque, lançando Atobá, Geovani, Mongo e Zini, para os lugares de Bwá, Manico, Bonifácio e Mabululo, no intuito de reverter a situação a seu favor, mas a defesa do Kaizer Chiefs soube conter a “armada militar”.

Com tais alterações, a equipa passou a pressionar e aos 86 minutos quase chegou ao empate, num dos lances mais vistosos da recta final.

No “coração” da área, Zini recebeu um cruzamento de Mongo, da esquerda do seu ataque, e cabeceou, mas o guarda-redes sul-africano estava atento e defendeu sem grandes problemas. Nem mesmo os cinco minutos de compensação ajudaram o D’Agosto a voltar, este ano, ao convívio dos grandes clubes africanos.

O jogo realizado no Estádio 11 de Novembro, em Luanda, é referente à segunda “mão” da última eliminatória de acesso aos grupos da Liga dos campeões. Na primeira “mão”, em Joanesburgo, as equipas empataram sem golos.

O 1º de Agosto esteve na fase de grupos da mais prestigiada competição de clubes do continente em 1997, na estreia do torneio com o actual formato e a denominação de Liga, voltou a marcar presença (20 anos depois) na edição 2017/2018, tendo atingido às meias-finais (melhor registo de uma equipa angolana, a par do Petro em 2001), e na edição 2019/2020, onde não foi além da primeira etapa.

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: