A pandemia faz aflorar criatividade jornalística em Cuba

0

O novo coronavírus colocou a mídia numa situação sem precedentes e inimaginável. Assim, empresas de jornalismo tiveram que usar toda a sua capacidade de resistência e criatividade.

Uma das iniciativas que se destaca na cobertura da pandemia em Cuba é a ferramenta Covid19CubaData, desenvolvida pelo Postdata.club e Juventud Técnica, juntamente com estudantes da Faculdade de Matemática e Computação da Universidade de Havana e da Universidade de Oriente.

Esse painel interativo mostra uma atualização diária do número total de casos diagnosticados, ativos, recuperados etc. Também oferece estatísticas por províncias, municípios, modos de infecção e sexo dos pacientes, entre outros.

Quando os dados são abundantes e mudam diariamente, a organização e a “leitura” são fundamentais. “O mais importante aqui é o trabalho em equipe”, diz Saimi Reyes, editora do Postdata.club. “A colaboração é muito fluida porque há conhecimentos diferentes envolvidos. [Nós] jornalistas, apesar de não programarmos a parte difícil, damos ideias de possíveis gráficos com valor informativo, e também somos nós que preenchemos o banco de dados no formato Json todos os dias, que é usado para atualizar as informações e é preenchido com os números oficiais oferecidos pelo Ministério da Saúde Pública.”

O painel possui um bot Telegram e um aplicativo Android, que saltou de 100.000 para 200.000 downloads em menos de um mês. Da mesma forma, publica sistematicamente boletins do Centro de Estudos Demográficos (CEDEM) sobre a evolução e os efeitos da doença nos níveis internacional e nacional.

O projeto é particularmente relevante em um momento de grande desinformação e notícias falsas. Tanto é assim que o feedback chegou sem demora. “Muitas pessoas usam, dão sugestões e fazem perguntas online; elas o usam para tirar conclusões e ter uma visão mais analítica da situação”, diz Ernesto Guerra, jornalista do Postdata.club e editor-chefe do Technical Youth.

Várias mídias e instituições consideram o Covid19CubaData uma referência confiável. Até o diretor nacional de epidemiologia, Francisco Durán, usou os gráficos do quadro em transmissões pela televisão nacional.

Por outro lado, algumas vantagens se tornarão mais visíveis ao longo do tempo, segundo Reyes: “No longo prazo, também será muito útil, porque todas essas informações serão registradas em uma ferramenta com software livre e dados abertos, que ajudarão a possíveis decisões futuras em situações semelhantes.”

Alianças para a cobertura 

Uma circunstância tão complexa quanto a atual exige maiores esforços. Talvez seja por isso que as alianças tenham sido constantes na abordagem da crise da pandemia em Cuba. Por exemplo, El Toque e Periodismo de Barrio uniram forças para criar um serviço de informações sobre o coronavírus.

Dias atrás, eles lançaram o Covide, um bot para Telegram e WhatsApp que permite verificar informações sobre a COVID-19. Essa ferramenta se baseia no banco de dados Latam Chequea, uma plataforma na qual participam 35 organizações, incluindo essas duas mídias cubanas.

Sua cobertura inclui conversas no Facebook Live com empreendedores, advogados e médicos; o uso de desenhos animados e podcasts e o tratamento de questões legais de particular relevância durante o isolamento.

Con/texto Magazine, IPS Cuba, e Semlac Cuba produziram a série multimídia Inspiradoras, que retrata as histórias de mulheres que enfrentam os desafios da pandemia em espaços como cuidado solidário, empreendedorismo ou comunidades religiosas. Realizada com o apoio da Oxfam, a série também visa tornar visível o impacto diferenciado da COVID-19 na população feminina.

Os blogs que surgiram em inúmeras publicações também emergem dessas partes. É o caso da seção Destinatario Zona Roja da revista Alma Máter, onde três estudantes de jornalismo contam seus dias como voluntárias em centros de isolamento contra a COVID-19.

Mudanças ocorridas após a “crise da corona” ainda estão se desenrolando nas organizações, e algumas delas podem permanecer. “Os infográficos se tornaram um produto importante, bem como os tópicos do Twitter, esclarecendo dúvidas do público”, diz Guerra.

Para a maioria dessas publicações, a pandemia tem sido uma oportunidade de expandir seu alcance e elevar os padrões de qualidade da profissão. “No caso da Juventud Técnica, o maior desafio do novo normal é manter o público fiel à mídia por meio do tema da COVID-19”, confessa o editor-chefe. “Anteriormente tínhamos cientistas, fãs de tecnologia, gamers… Agora, nossos fãs são de qualquer profissão, estrato ou interesse.”

Fonte: https://ijnet.org/pt-br/pitch-to-ijnet

 

 

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: