A pandemia é uma oficina jornalística em larga escala

0

 

Em parceria com a nossa organização-matriz, o Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ, em inglês), a IJNet está conectando jornalistas com especialistas em saúde e líderes de redação por meio de uma série de seminários online sobre COVID-19. Este artigo faz parte de uma série de entrevistas com jornalistas do Fórum de Reportagem sobre a Crise Global de Saúde do ICFJ.

Este artigo é parte de nossa cobertura online sobre COVID-19. Para ver mais recursos, clique aqui.

O jornalista colombiano Karoll Pineda iniciou sua carreira enquanto era estudante na universidade. Ele trabalhou na rádio da Universidade de Cartagena, onde estudou comunicação social.

Desde que se formou, Pineda realizou trabalhos em jornalismo e comunicação estratégica. Entre eles, fez freelance para o PrimerTiempo.CO, a primeira mídia digital de esportes em Cartagena.

Em junho de 2019, Pineda ingressou na Fundación Gabo, onde agora é assistente editorial. Enquanto ele se concentra na estratégia de mídia social da fundação, continua reportando como freelancer. Ele também está trabalhando em algumas ideias para um ou mais projetos jornalísticos.

Conversamos com Pineda sobre como ele começou no jornalismo, como é informar sobre COVID-19 na Colômbia e seus conselhos para colegas repórteres que cobrem a pandemia.

IJNet: Por que você se tornou jornalista?

Pineda: [Existe] o valor de poder impactar uma comunidade através do trabalho jornalístico. Eu gosto de pensar que é valoroso ter a chance de fornecer um contexto apropriado para indivíduos de uma sociedade tomarem suas próprias decisões. Isso é alcançado com boas informações, oferecendo qualidade e seriedade.

Quais aspectos da sua experiência passada foram especialmente úteis para sua reportagem sobre a COVID-19?

Hoje em dia, lembrar da matemática do ensino médio tem sido um dos principais aspectos. Sem dúvida, tenho que revisar equações e aplicar conhecimentos básicos para lidar com dados e informações para acompanhar a pandemia, e também, é claro, os fundamentos do jornalismo.

 

Que desafios você encontrou ao cobrir a pandemia?

 

Muitos. Em particular, tenho monitorado a epidemia do vírus em Cartagena, a cidade onde moro. Acredito que os jornalistas locais tenham uma tarefa difícil, principalmente devido à falta de acesso aos dados locais. Por enquanto, há muito pouca informação sobre as histórias das vítimas, número de testes ou muitos outros recursos de dados para contar a história da pandemia da maneira mais completa possível.

Teletrabalho, ou trabalhar em casa, também é um grande desafio. Depois de compartilhar seu escritório com colegas e se adaptar à rotina, é difícil voltar a trabalhar em casa quando é obrigatório e você não pode sair para tomar ar fresco ou relaxar — o que é sempre muito necessário. Eu tive episódios de estresse e ansiedade devido à saturação de informações e tive muitos problemas com minha conexão à internet.

Você tem experiência em reportagens esportivas. Como a cobertura esportiva mudou durante a pandemia?

O PrimerTiempo.CO, o veículo de mídia esportiva digital da cidade, vem reinventando sua agenda de notícias com entrevistas com atletas. Eles criaram uma rotina diária de transmissões ao vivo nas redes sociais, a partir das quais extraem conteúdo de notícias para alimentar seu site.

Quanto a mais referências nacionais, alguns canais esportivos optaram por transmitir eventos esportivos passados ou eventos esportivos de videogame — os chamados esportes eletrônicos — como partidas de futebol ou corridas de automóveis, em que usuários online competem. [Esta é] uma proposta que pode gerar polêmica, mas que serviu mais como material de enchimento do que como material de qualidade.

Quais histórias da COVID-19 você gostaria que os jornalistas cobrissem?

Acho que é hora de começar a encontrar respostas sobre como será a vida pós-quarentena. [Devemos abrir] espaços na cobertura para parar e pensar em como será a volta para o exterior.

Como o Fórum de Reportagem sobre a Crise Global de Saúde do ICFJ o ajudou?

É uma conexão com o mundo. Saber que muitos problemas que ocorrem na minha cidade e país também ocorrem em outras partes do mundo me faz pensar que todos estamos buscando um objetivo comum e tentando superar uma situação que explodiu na nossa cara, para a qual ninguém foi preparado o suficiente. Gosto da iniciativa porque é um ambiente de aprendizado constante, no qual existem muitas dicas e ferramentas aplicáveis ​​ao trabalho diário.

Que conselho você daria para outros jornalistas?

É hora de ser muito rigoroso. A pandemia é uma oficina jornalística em larga escala. Dados, gráficos, avanços científicos, decisões governamentais e políticos que desejam tirar proveito do contexto, entre outros, são desafios que devemos enfrentar, cumprir e superar. Acredito que coisas muito boas possam surgir para o jornalismo a partir disso.

A confiança na mídia está em risco. É necessário, agora mais do que nunca, oferecer ao público as razões pelas quais essa confiança deve crescer, especialmente quando está diminuindo nos últimos anos em alguns países.

Fonte: https://ijnet.org/pt-br/story/entrevista-pandemia

 

Share.

Deixar uma opinião

%d bloggers like this: